A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

janeiro 28, 2015

O Fundo Plínio Salgado, que está sob a guarda do Arquivo Público e Histórico de Rio Claro/SP, recebeu o selo da UNESCO

A nota abaixo vem diretamente do Facebook do Arquivo município Público e Histórico de Rio Claro, que acaba de  receber o selo da Unesco pelo Fundo Plínio Salgado, que se encontra sob sua guarda. A cerimônia de outorga do título aconteceu no mês passado na sede do Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro.

O Arquivo Público de Rio Claro esteve representado na solenidade por sua coordenadora Ana Maria Penha Mena Pagnocca, que recebeu o certificado de inscrição do acervo de Plínio Salgado no Registro Nacional do Brasil, do Programa Memória do Mundo da Unesco – Memory of the World – MoW.

ana

Ana Maria Penha Mena Pagnocca, que recebeu o certificado de inscrição do acervo de Plínio Salgado no Registro Nacional do Brasil, do Programa Memória do Mundo da Unesco – Memory of the World – MoW.

Na condição de uma das primeiras funcionárias da autarquia, desde sua criação em 1979, Ana Maria Pagnocca acompanhou todo o processo de inscrição do fundo do líder integralista para concorrer a uma vaga de nominação como patrimônio documental da humanidade.

(more…)

outubro 12, 2014

Plínio Salgado – seu acervo que está no Arquivo Público e Histórico de Rio Claro recebe selo da Unesco

 Quem passa aqui pelo A Simplicidade das Coisas sabe que por quase 17 anos fui servidor público no Município e Rio Claro e lotado no Arquivo Público e Histórico de Rio Claro/SP, Autarquia Municipal onde aprendi tudo o que sei sobre Arquivologia, onde fiz amizades que mudaram o rumo de minha vida, pessoas estas as quais sou eternamente grato, principalmente a Profa. Dra. Ana Maria de Almeida Camargo e Ana Maria Penha Mena Pagnocca.

O Arquivo cuida da história passada e a ser vivida pelos cidadãos Rioclarenses do século XXI, demonstrando seu respeito para o passado e ajudando a construir a história do presente. O trabalho que ali é desenvolvido tem reconhecimento mundial.

Este slideshow necessita de JavaScript.

_Legendas imagens Fundo Plínio Salgado Relise FPS Unesco

E hoje recebi o informativo que segue, vindo da assessoria do Arquivo, que me deixou muito feliz. Nos anos que trabalhei no Arquivo e tenho certeza que ainda hoje, historiadores do mundo todo buscam informações para seus trabalhos acadêmicos no Acervo de Plínio Salgado. Convivi durante alguns anos com a Sra. Carmela Patti Salgado, esposa de Plínio Salgado, a qual, no final dos anos 80 e início dos anos 90 esteve presente na instituição auxiliando-nos a identificar o preciosos acervo de seu marido. (more…)

janeiro 22, 2013

Plínio Salgado e o acervo documental da Ação Integralista Brasileira no Arquivo de Rio Claro

Trabalhei no Arquivo do Município de Rio Claro/SP de abril de 1985 até junho de 2000. Nesses 15 anos de trabalho aquela autarquia municipal passou por várias direções e muitos desafios. Mas, todos os dias tínhamos uma visita frequente – José Constante Barreto. Um senhor de pequena estatura, cabelos brancos e Integralista. Suas visitas diárias eram para saber o que estávamos fazendo com a documentação, muitas vezes nos auxiliava na identificação de fotos e queria saber o perfil dos consulentes do acervo do “Chefe”. E quando perguntado: “o sr. foi Integralista?” Ele, com seu olhar altivo e seguro dizia: “Eu não fui. Eu sou Integralista! Anauê!”

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Sr. Barretinho, como carinhosamente o chamávamos, era filho adotivo de uma família tradicional da cidade. Contava que havia sido deixado na Roda dos Excluídos*, em São Paulo. Certa feita, ditou-me uma carta que enviamos para a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Naquela altura da vida, já passando dos 80 anos, teve vontade de saber quem era sua mãe biológica. Não conseguiu saber, infelizmente.

 * Até 1948, mães carentes, geralmente solteiras, que não podiam criar os filhos recém-nascidos, deixavam-nos na Santa Casa, anonimamente. No muro havia um compartimento giratório que recebia essas crianças. Um sino alertava a religiosa de plantão, que retirava a criança e virava novamente a abertura para a rua. As freiras cuidavam da criança, que depois seguia para o asilo Sampaio Viana, no Pacaembu e mais tarde para o Colégio São José. Havia uma ata, em que se registravam as informações deixadas pelas mães. A maioria preferia rasgar um santinho e deixar metade com o filho; quando a mãe buscava de volta sua criança, trazia a metade que faltava, como uma espécie de comprovação da maternidade.

(more…)

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Escrito por PROF RAFAEL PORCARI, compartilhando sobre futebol, política, administração, educação, comportamento, sociedade, fotografia e religião.

Saia de viagem

Em frente, sempre.

Mulher Moderna

Fazendo de tudo um pouco.

Memórias de Tereza

Um blog de memórias, recordações e lembranças familiares

Blog da Reforma

Um dia esta reforma acaba!

%d blogueiros gostam disto: