A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

setembro 22, 2020

Orientação – neo tarô Osho

Filed under: amor,Atualidades,Coisas que eu gosto,Tarô,Uncategorized — Augusto Jeronimo Martini @ 11:56
Tags: , , ,

Olhando bem para a ilustração, você já fica com uma primeira ideia do que esta lâmina quer transmitir: um anjo multicolorido voa pelo espaço ilimitado levando consigo a figura de uma mulher: não encontro expressão mais linda para definir o nosso mestre interior do que esta representação.

Orientação

Mas, se notar bem vai ver que a figura feminina está com o rosto virado para esta figura angelical. O que isso quer dizer? Quer significar que muitas vezes damos às costas ao nosso bem mais precioso: nossa proteção, nosso guia interno, nosso mestre, nossa intuição: aquela voz que vem do coração e que fala primeiro que nosso cérebro.

E por que fazemos isso? Porque fomos viciados em acreditar apenas naquilo que vemos com nossos olhos, ou apalpamos com nossas mãos ou pés. Os estímulos do mundo externo são, para nós, muito mais reais do que a nossa sabedoria interna. Por isso nos tornamos discípulos de alguém, fanáticos de uma religião ou caminho, apegados a pessoas que nos rodeiam, achando que são eles os nossos guias. Vã esperança! O nosso guia não está fora de nós. Está dentro de cada ser.

(more…)

fevereiro 18, 2014

Osho Neo Tarô – carta Amor – Lembre-se de não armazenar seu amor, de não ser calculista!

A exigência básica do amor é: “Eu aceito a outra pessoa como ela é”  – e o amor nunca tenta mudar a pessoa em função da própria idéia que se tem do outro. Você não tenta cortar a pessoa aqui e ali e deixá-la do tamanho certo – o que tem sido feito em todos os lugares no mundo inteiro…Se você ama, não existem condições. Se você ama, então impor condições não é o caso. Você o ama como ele é. Se você não o ama então também não há problema. Ele não é ninguém para você; impor condições não é o caso. Ele pode fazer tudo que quiser fazer.Se o ciúme desaparece e o amor permanece, então você tem algo sólido em sua vida, o qual vale a pena possuir.

Quando você está compartilhando seu contentamento, você não cria uma prisão para ninguém, você simplesmente dá. Você nem mesmo espera gratidão ou agradecimento, porque você está dando não para conseguir alguma coisa, nem mesmo gratidão. Você está dando porque está tão repleto … você precisa dar. Assim, se alguém está grato, é você quem está grato à pessoa que ACEITOU seu amor, que aceitou seu PRESENTE. Ela o aliviou, permitiu a você que a banhasse. E quanto mais você compartilha e mais você dá, MAIS VOCÊ TEM.

Então isso não o torna um avarento, não cria um novo medo, o de que “eu posso perder isso”. Na realidade, quanto mais você o perde, mais águas frescas fluem, vindas de nascentes sobre as quais você não estava consciente anteriormente.

Se a existência toda é una e se a existência toma conta das árvores, dos animais, das montanhas, dos oceanos – desde a menor folhinha de grama até a maior estrela – então ela também toma conta de você.

Porque ser possessivo? A possessividade mostra simplesmente uma coisa – que você não consegue confiar na existência. Você tem que conseguir uma segurança pessoal separada, uma proteção pessoal separada. Você não pode confiar na existência. A não possessividade é basicamente confiança na existência.

Não há necessidade de possuir, porque o todo já é nosso.

Dar amor é a linda e verdadeira experiência, porque com ela você é um mestre de si mesmo. Receber amor é uma experiência muito pequena, é a experiência de um mendigo.

Não seja um mendigo, pelo menos tratando-se de amor, seja um imperador, porque o amor é uma qualidade inesgotável em você. Você pode dar tanto quanto quiser. Não tenha preocupação que ele esgotará. O amor não é uma quantidade, mas uma qualidade e qualidade de um certa categoria que cresce ao se dar e morre se você a segura. Seja realmente esbanjador!!

Não se importe para quem. Esta é na verdade a idéia de uma mente mesquinha: Eu darei amor a determinadas pessoas que tenham determinadas qualidades … Você não entende que tem em abundância, que é uma nuvem de chuva. A nuvem de chuva não se importa onde chove – nas pedras, nos jardins, nos oceanos – não importa. Ela quer descarregar-se e essa descarga é um tremendo alívio.

Assim o primeiro segredo é: não peça amor. Não espere, pensando que você dará se alguém lhe pedir – Dê!!

Tudo passa, mas você permanece – você é a realidade!

Carta 49 – AMOR
49
Lembre-se de não de armazenar seu amor, de não ser calculista. Não seja mesquinho. Assim você perderá tudo. Ao contrário, permita que seu amor floresça, e compartilhar-o, oferaça-o, permita que ele cresça. (more…)

fevereiro 7, 2014

Osho Neo Tarô – Carta Valor – Não tente provar seu valor, reduzindo a si mesmo a uma mercadoria!

Olha, de uns tempos para cá sempre acordo com a sensação de que viver é difícil, que o mundo é podre, que as pessoas são más, manipulativas e sentem necessidade de massagearem seus egos através da dor de seus semelhantes ou expondo-os ao ridículo. Sinto isso no trabalho. Mas, entendo que isso é um aprendizado, medito e jogo a energia ruim para o universo. A vida nos derrubará muitas vezes. Cabe a nós sermos fortes para nos levantarmos quantas vezes forem necessárias.O jeito é não dar importância para o que os outros dizem –  muitas pessoas são más – e qualquer um que fuja do padrão daquilo que elas julgam como uma “pessoa normal” acaba se tornando uma vítima destas mentes cruéis, mesmo sendo alguém de bom coração.Hoje, chegando ao trabalho assim, meio deprê, resolvi tirar uma carta do Neo Tarô do Osho. E ela saiu na medida para me dar um “up”. Vejam.
Carta 10 – VALOR
10
Não tente provar seu valor, reduzindo a si mesmo a uma mercadoria. Lembre-se, a maior experiência da vida não vem através do que você faz, mas através do amor, através da meditação.
Lao Tzu estava viajando com seus discípulos, e chegaram a uma floresta onde centenas de lenhadores cortavam árvores. Toda floresta havia sido cortada, exceto uma grande árvore com milhares de galhos. Ela era tão grande que dez mil pessoas podiam se sentar sob sua sombra. Lao Tzu pediu a seus discípulos que fossem perguntar por que aquela árvore foi poupada. Eles foram e perguntaram aos lenhadores, que disseram:
(more…)

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Escrito por PROF RAFAEL PORCARI, compartilhando sobre futebol, política, administração, educação, comportamento, sociedade, fotografia e religião.

Saia de viagem

Em frente, sempre.

Mulher Moderna

Fazendo de tudo um pouco.

Memórias de Tereza

Um blog de memórias, recordações e lembranças familiares

Blog da Reforma

Um dia esta reforma acaba!

%d blogueiros gostam disto: