A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

abril 19, 2021

Vivenciando o luto na Pandemia

Filed under: amor,Cornonavírus,Covid19,Saúde,Uncategorized — Augusto Jeronimo Martini @ 10:37
Tags: , , ,

Desde o início da pandemia por Covid19, somos diariamente invadidos com o tema da morte. Este confronto diário parece inevitavelmente suscitar a reflexão sobre a nossa própria finitude enquanto seres humanos. E quem não se sente por isso, mais vulnerável e angustiado? Por mais que na atualidade o conhecimento sobre a pandemia esteja se consolidando, a verdade é que as perdas pela doença continuam a ser abruptas, difícil de encontrar um significado, surgindo frequentemente pensamentos como “Se não fosse a Covid, ainda estaria vivo, pois estava bem de saúde”. Além disso, o confronto diário com a morte pode evocar perdas passadas e trazer à tona lutos não resolvidos.

Foto por Kat Jayne em Pexels.com

Devido ao distanciamento social exigido, frequentemente não existe qualquer tempo de despedida por parte dos familiares. Nestas circunstâncias, assuntos ficaram pendentes, palavras ficaram por dizer, colocando a pessoa em luto num estado de grande angústia e muitas vezes com sentimento de culpa. Não podemos esquecer ainda as restrições inerentes à realização das cerimônias fúnebres, as quais possuem uma função adaptativa importante. São rituais que permitem expressar a dor da perda, representar um momento de concretização das despedidas e de permitir a coesão social. A impossibilidade de estar presente no funeral ou de não existir a oportunidade de este ser realizado dentro das circunstâncias desejadas representa um fator de estresse acrescido. E isso dificulta a aceitação da perda, levando ao adiamento deste processo e potenciar, assim, o desenvolvimento de lutos traumáticos e problemas psicológicos, levando à quadros clínicos de ansiedade e depressão.

(more…)

agosto 10, 2016

Luto – vamos falar sobre ele?

Já tive grandes perdas na vida. Não cheguei a conhecer meus bisavôs e nem minha avó materna. Perto dos dez anos perdi o meu avô materno. Depois meus avós paternos também se foram.

Perdi minha mãe e poucos anos depois o meu pai. Nessa lista incluo tios, primos, amigos…. Isso são apenas exemplos. O luto não tem hierarquia!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Mortes são sempre doloridas. Em meu trabalho, no espaço de poucos meses, oito amigos perderam pai ou mãe. Hoje mesmo retornou ao trabalho uma pessoa de minha equipe que perdeu o pai na semana passada. Teve um ataque cardíaco fulminante.

Não há palavras que nos façam superar essa dor. Eu sempre digo que a dor nunca passa. A gente acostuma com ela. Aprende a administrar. (more…)

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Escrito por PROF RAFAEL PORCARI, compartilhando sobre futebol, política, administração, educação, comportamento, sociedade, fotografia e religião.

Saia de viagem

Em frente, sempre.

Mulher Moderna

Fazendo de tudo um pouco.

Memórias de Tereza

Um blog de memórias, recordações e lembranças familiares

Blog da Reforma

Um dia esta reforma acaba!

%d blogueiros gostam disto: