A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

novembro 18, 2019

Pão caseiro, pão de mãe

A noite passada sonhei com minha mãe. Ela estava na cozinha de nossa casa sovando a massa do pão.
No final da tarde lembrei do sonho e resolvi fazer pão. Comecei a preparar tudo, separei os ingredientes, sem nenhuma receita – 70% de trigo branco, 30% de trigo sarraceno, aveia, sementes de abóbora, girassol, linhaça, quinoa, ervas de Provence, sal, açúcar, azeite, água, fermento biológico seco.

Tenho o modo de preparo de minha mãe guardado na memória, mas quis inovar e comecei a misturar, sovar, deixei descansar e coloquei para assar.

Assim que ele foi para o forno o perfume de pão fresquinho tomou conta do apartamento, me levou de volta para a infância e pude matar pelo menos um pouco das saudades daqueles momentos que sem dúvida me fizeram amar e apreciar o tempo gasto ao preparar uma receita para quem você ama, exatamente como minha mãe fazia.

setembro 28, 2019

Café moído na hora

Cheiro de café lembra infância ou casa de vó. Minha avó paterna, Virgínia Rosin Calore Martini tinha um pequeno cafezal no sítio Boa Vista, onde morou até o início dos anos 70. Era um pedaço do paraíso. E era o nosso mundo. Meu, de minhas irmãs e primos. Era a porção do mundo mais distante de nossa casa que conhecíamos naquela época da infância.

O nosso mundo era ali, no meio daqueles pés de café, laranjeiras, mangueiras, e que, na época, para nós, tinham a altura de edifícios gigantescos. Pertinho da casa tinha um terreiro onde os grãos eram secados. Depois de colhido os grãos descansavam no terreiro e quando íamos para o sítio disputávamos para ver quem iria mexê-lós com o rastelão de café. Ficávamos agoniados quando víamos uma nuvem se aproximando, querendo trazer chuva, pois precisavam ser cobertos com uma lona. Mas o ponto alto era a torragem dos grãos no fogão a lenha e depois a moagem. Depois de torrado – sim, a vó Virgínia era responsável por todo o processo – fazíamos fila para moer os grãos. Mais do que qualquer outro cheiro, é o café moído ali, na hora, o meu melhor cheiro de infância e de casa de vó.

Hoje o sítio não pertence mais aos Martini. E nem é mais como antanho. Ali jazem alguns dos anos mais felizes da minha vida. O velho torrador não sei se ficou com alguém da família. Gostaria de saber. Mas o moinho está comigo. Estava empoeirado aqui em meu apartamento, em São Paulo. Quando batia a saudade do sítio era só ir até um móvel que o acomoda como peça de decoração e ficar uns minutinhos olhando para ele. Eu juro, dá até para sentir aquele cheiro de café moído, vindo direto da minha infância.

Mas hoje ele voltou a funcionar. Ganhei de Felix Franco, um hóspede e amigo do Airbnb, um pacote de grãos de um excelente café do seu país de origem. A Colômbia.

Limpei o moedor, o prendi na pedra da mesa da cozinha, transformei parte dos grãos em pó, coloquei na cafeteira italiana e fiz um dos melhores cafés que já tomei na vida. Para quem gosta de café, super recomendo: os grãos são do Norte de Santander, município de Cucutilla, Fazenda Atuesta e o cafeicultor é o Sr. Antonio Atuesta. Tem aroma e sabor que lembra laranja, avelã e chocolate. Uma delícia!

www.caffacolombia.com  

@caffacolombia

www.colombiabrasil.com/destinos

@colombiabrasil

janeiro 20, 2019

Especulação imobiliária no centro de São Paulo

Olá! Desde que decidi morar e trabalhar em São Paulo, minha opção foi por viver no centro histórico, mais precisamente no que costumam chamar de “centro novo” onde tudo acontece. Apesar do pouco investimento público na área, sempre prometido e nunca executado, penso ser o melhor lugar para se viver. Tenho tudo sempre por perto, duas linhas do metrô quase na porta de casa, linhas de ônibus em frente ao edifício… É claro que nem tudo é uma maravilha. O centro da cidade concentra tudo o que tem de melhor e também o que tem de pior. Moradores de rua, centenas deles, usuários de crack, também aos montes. Lixo. Muito lixo que é colocado no canteiro central do boulevard da Avenida Vieira de Carvalho em horários inapropriados, os quais são imediatamente abertos e espalhados pelas ruas. Na região há muitos bares e restaurantes. Assim, esse é um lixo, digamos, “chamativo”. Muitas latas de bebidas em alumínio, restos de comida, etc.

De uns tempos para cá, o centro tem atraído muitos restaurantes de renome. Posso citar: Ramona, Paribar, Casa do Porco, Mandíbula, Drosophyla, Dona Onça, Apfel, Salada Record, Ponto Chic, Esther Rooftop, Tibiriçá, La Casserole, La Central, Santinho, Barouche, Buraco, Casa de Francisca, Mundo Pão do Olivier, e outros restaurantes, ou bares, que também mereciam fazer parte desta lista, têm algo que os identifica, além da notoriedade e de serem frequentados por uma clientela fiel.

(more…)

janeiro 18, 2019

Cozinheiro em domicílio

Hoje quero divulgar para vocês uma nova plataforma virtual que auxiliará aos residentes em São Paulo: A contratação de um cozinheiro em domicílio.

No site, é possível conferir a formação acadêmica em cozinhas internacionais do autor e sua capacitação como Técnico em Nutrição e Dietética.

Acontece assim: Você escolhe as suas preparações e o informa das quantidades desejadas de cada uma delas. Uma lista de compras dos insumos será encaminhada para você e o agendamento para o seu atendimento será confirmado na data da sua preferência.

A principal comodidade para os clientes é o fato de terem contato mais próximo com quem prepara suas refeições. Desfrute de uma alimentação mais saudável no conforto da sua casa.

Outras informações: (11) 98098-4531

(more…)

junho 8, 2018

Lyon e seus mistérios

O Parque da Tête d’Or abriu seus gramados para a visitação em 1857. Para os aficionados da caça ao tesouro, reza a lenda que uma cabeça de Cristo em ouro está enterrada no local, o que lhe rendeu o nome. Mas não vá sair cavando pelo parque que você poderá ser preso!

Os irmãos Buhler, paisagistas suíços, deram ao ambiente um aspecto de jardim inglês ornado de um jardim botânico, um jardim zoológico e um lago, além de muitos outros edifícios, como as grandes estufas, o velódromo, o chalé dos guardas. Mais tarde, um memorial aos mortos foi erguido na ilha dos Cygnes. Os apreciadores de rosas nunca deixam de visitar o roseiral, que conta com mais de 30 mil roseiras de 350 diferentes variedades.

O parque da Tête d’Or é o lugar favorito dos lionenses de todas as gerações para caminhadas e piqueniques. Cada visitante desfrutará do melhor do parque segundo suas preferências: passeios românticos pelo lago, aulas de ioga no gramado, caminhadas entre os canteiros de flores, piqueniques gourmet à sombra dos cedros do Líbano, corridas de bicicleta…

Parc de la Tête d’Or
69006 Lyon

Fone: +33 (0)4 72 10 30 30

O Velho Lyon

Este slideshow necessita de JavaScript.

Aos pés da colina de Fourvière, o Velho Lyon tem o nome bem apropriado, pois o bairro data da idade média. Foi naquela época que as primeiras traboules (passagens de pedestres) foram construídas para facilitar o transporte de mercadorias das praias do Ródano até as casas sobre pilotis. (more…)

junho 6, 2018

Lyon – a cidade das luzes

Com a proteção Nossa Senhora de Fourvière, entre os rios Ródano e Saône, a poucas horas dos Alpes e do Mar Mediterrâneo, Lyon, também conhecida como a cidade das luzes ,convida para uma viagem pelos séculos de sua história e a descoberta de suas riquezas ao sabor dos passeios que oferece.

Testemunha de uma história tumultuada, de mais de 2.000 anos, orgulho da Renascença, basta mergulhar na Vieux Lyon (Velha Lyon) para sentir todas as inspirações multiculturais da cidade. Flanar, se perder nos traboules (passagens típicas entre os prédios) de Croix-Rousse e, por um momento, imaginar o ritmo alucinante dos artesãos de seda, os célebres Canuts (trabalhadores têxteis). Lembrar-se também das brincadeiras lendárias de Guignol e do delicioso aroma que escapa das marmitas das “mães de Lyon”. Esta é Lyon… Com seus bouchons, cervejarias e restaurantes estrelados, Lyon é a capital da gastronomia francesa e seus inúmeros chefes brilham no firmamento da grande cozinha. O Bocuse d’Or – em referência a Paul Bocuse, seu embaixador mais ilustre, falecido em janeiro de 2018 (um dia antes de minha chegada na cidade) – agora premia a experiência culinária do mundo inteiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esta cativante cidade apresenta também muitas outras facetas, tão refinadas quanto excepcionais. As Bienais e os Festivais vão se sucedendo ao longo do ano: a dança contemporânea flerta com os shows de rock, enquanto as artes são expostas no Museu das Confluences. No verão, o lume das estrelas é parte integrante dos shows de rock Noites de Fourvière, e no inverno, a Festa das Luzes abraça a noite com seus movimentos de mil brilhos. Na Rive Gauche (margem esquerda), o espírito criativo é mais do que nunca expressado nas paredes dos imóveis, que se revestem de murais gigantes, ilustrando a história local passada e contemporânea. Cidade sede da Eurocopa 2016, vários jogos foram disputados em seu novíssimo Estádio das Luzes. (more…)

novembro 26, 2017

Bichinho/MG, um encanto de lugar, aos pés da Serra de São José!

Hoje o post é sobre Bichinho/MG, vilarejo encantador e de belo artesanato. Minha amiga Silvia Costola, de Rio Claro e que mora há anos em Roma, quando soube que eu estava em Tiradentes enviou um recado: “conhece Bichinho? Se não conhece, vá!”. Aceitei o conselho e fui.

Bichinho é um lugarejo que fica a cerca de 08 quilômetros de Tiradentes, passando por uma estrada de terra que beira à imponente Serra de São José – estrada conhecida como “caminho Real”, toda calçada em pedras do tipo “pé de moleque”. Como adoro caminhar e apreciar a paisagem, exercitando minha visão de Geógrafo que sou, fui e voltei a pé! Em grande parte do caminho há ateliês de artesanato em ferro, em pedra sabão, móveis confeccionados com madeiras de demolição, entre outros.

O caminho em si só já é um espetáculo. A estrada toda permeia a imponente Serra, dando-nos uma visão maravilhosa, um verdadeiro espetáculo da natureza.

 

No portal da entrada para o vilarejo, conheci o Sr. Olavo e sua filha, que produzem artesanatos maravilhosos, feitos em madeira: são galinhas caipiras, galinhas de angola, frutas, entre outros artesanatos de muito bom gosto. Ele faz os entalhes e a filha pinta ou encera as peças. E os preços são muito melhores que os das lojas de artesanato que você encontrará no vilarejo. Claro que não ele não produz em grande quantidade ou variedade. Mas vale a pena parar para um bom papo e conhecer o seu trabalho. (more…)

novembro 25, 2017

Tiradentes/MG e seu queijo premiado na França!

Uma das melhores coisas de Tiradentes são os moradores. Todos muito simpáticos, adoram conversar, são prestativos em dar informações e sempre com o delicioso e típico sotaque mineiro, uai!

Nos cinco dias que estive lá, fui convidado para tomar café, bati longos papos com pessoas na rua e nas lojas de comércio.

Uma dessas conversas foi com a Lúcia Maria Resende, que é produtora do queijo “Sabores do Sítio”, em Tiradentes, na Região de Campos das Vertentes, e que ganhou a medalha de Bronze no “Mondial du Fromage”, em Paris, França. Seu queijo tem a característica suave, textura macia, todo feito com leite do rebanho do gado Jersey.

IMG_2778

Ela disse que em 2016 conquistou o seu primeiro prêmio: o primeiro lugar em um concurso estadual em Minas (desbancou os deliciosos queijos da Canastra). E, neste ano, na primeira participação em um concurso mundial, conseguiu a Medalha de Bronze. Cerca de 80% do queijo que produz é vendido na Feirinha da Estação do Trem, em Tiradentes, mas o produto também tem destino certo, como Barbacena e Belo Horizonte. (more…)

outubro 3, 2017

Veganos no Centro de São Paulo!

Os leitores frequentes desse blog sabem que moro no centro de São Paulo e que por ele tenho uma relação de amor e ódio (muito mais amor que ódio, convenhamos). Na semana passada uma amiga me apresentou a  startup  A Vida no Centro – um hub de inovação, lançado por Denize Bacoccina e Clayton Melo. Nele está sempre em foco a cultura e experiências sobre o centro de São Paulo. Segundo os idealizadores, o projeto tem como propósito ser um instrumento que, por meio de diferentes ações, ajude a melhorar a vida na região central da Metrópole e, assim, contribua para tornar São Paulo uma cidade mais aberta, sustentável e inovadora. A empresa atua por meio de diferentes ferramentas e serviços, como plataforma digital, curadoria de tendências e comportamento e experiências, como eventos temáticos ou outros projetos de marketing customizados para empresas.

Tenho muitos amigos veganos. Ontem, zapeando pelo site, encontrei um post muito bacana sobre os restaurantes veganos aqui do centrão. Escrevi pedindo autorização para colocar no blog e a Denize gentilmente liberou. Segue abaixo.

Assinem a newsletter  e fiquem por dentro de todas as iniciativas divulgadas por eles. Ou sigam no Facebook.

Vegano no centro de São Paulo? Veja aqui boas opções de bares e restaurantes
Procurando um lugar para almoçar ou jantar no centro de São Paulo? Fomos conferir e indicamos várias boas opções de restaurantes e bares veganos na região. Veja nossas dicas.

É possível ser vegano sem abrir mão de uma vida social, frequentar bares e restaurantes com a família ou amigos? Há alguns anos, talvez fosse difícil combinar na mesma frase veganismo e vida social. Muitas vezes era preciso levar comida de casa para o almoço ou ficar sabatinando o garçom e contar com a boa vontade do cozinheiro para ter certeza de que nenhum produto de origem animal seria de fato usado no prato.

Esse cenário mudou bastante nos últimos anos em São Paulo e hoje já é possível comer fora ou sair com os amigos sem ter que abrir mão da alimentação escolhida. Ainda é mais fácil encontrar restaurantes vegetarianos do que veganos, já que muitos restaurantes que não têm carne usam ovos e leite nos preparos. Mas já existem boas opções de veganos. Fomos conferir e indicamos aqui algumas boas opções no centro de São Paulo.

Subte Vegan, no mezanino da Galeria Boulevar do Centro

Subte Vegan, no mezanino da Galeria Boulevar do Centro

Subte Vegan

É um lugar relativamente novo neste endereço e faz parte do processo de reocupação do centro por uma moçada interessada em transformar a região em um lugar cada vez mais interessante. Fica instalada no mezanino de uma galeria que ainda não passou por um banho de loja e assusta à primeira vista. Mas não deixe de subir as escadas e caminhar até o restaurante. Lá dentro, o clima é outro. Comida maravilhosa (a feijoada vegana é a melhor que já provamos, com legumes reconhecíveis dentro do molho escuro e não imitações de salsichas), atendimento simpático e um clima acolhedor, com trilha sonora de primeira na vitrola. Tem feito bastante sucesso e em alguns dias tem fila para conseguir mesa. Os preços são muito camaradas. E as sobremesas também são excelentes. Promove happy hour com música alguns dias. Fique de olho na programação no Facebook.

(more…)

setembro 27, 2017

Paellas a domicílio!

O prato ícone da cozinha espanhola sempre nos seduzirá. As novas tendências gastronômicas parecem incapazes de neutralizar esta receita imortal, paradigma clássico que não envelhece.

paella

Então que tal saborear uma autêntica Paella em sua casa, preparada por quem entende do assunto? Alim Soares, possui formação e experiência na gastronomia espanhola e mediterrânea e em especial no preparo de Paellas genuinamente espanholas.

Ele atende em domicílio. Acesse o site As de Oros e conheça a preparação de paellas oferecido. Além disso, ele também oferece serviço como cozinheiro, preparando suas refeições semanais, deixando-as prontinhas para o consumo imediato ou congeladas. Logo no primeiro contato ele pergunta aos clientes quais são os pratos preferidos no menu que estão disponibilizado no site master congelados, os temperos de que gosta, se a pessoa segue alguma dieta, etc. A partir de então ele faz algumas sugestões de cardápios. O cliente compra os ingredientes e o Alim entra com a mão de obra. Além das refeições prontas, ele deixa sua cozinha um brinco ao terminar.

as de oros

Em sua verão original, a paella é impermeável à inovação. A receita parece ser imutável. Sempre  há discordância, mas parece claro que os ingredientes canônicos da autentica paella valenciana não comporta peixes nem frutos do mar. Esta é a paella original, contrariamente ao que se pensa no Brasil. (more…)

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Escrito por PROF RAFAEL PORCARI, compartilhando sobre futebol, política, administração, educação, comportamento, sociedade, fotografia e religião.

Saia de viagem

Em frente, sempre.

alimmentos.wordpress.com/

congelados veganos

Mulher Moderna

Fazendo de tudo um pouco.

Memórias de Tereza

Um blog de memórias, recordações e lembranças familiares

Blog da Reforma

Um dia esta reforma acaba!

%d blogueiros gostam disto: