A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

novembro 1, 2015

O Día de los Muertos, no México

No México a morte não é encarada como aqui no Brasil! Lá ela é divertida, engraçada, festiva, onde cada caveira brincalhona tem um significado. Quando tentamos entender a visão deles, passamos a ver a relação com a morte (e a comemoração que fazem) de outra forma.

Se você tem curiosidade de saber como é que essa festa acontece, continue lendo esse post.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bem diferente do que nós brasileiros estamos acostumados a ver e fazer no Dia de Finados, no México o Día de los Muertos (Dia dos Mortos) é uma festa, uma das maiores comemorações do país, que começa no dia 31 de Outubro e termina na noite do dia 2 de Novembro, embora possa se esticar até meados do dia 3 e 4.  (more…)

abril 22, 2015

Quero aproveitar a vida…

Ontem completei 56 anos e essa idade me deixou mais elétrico ainda, e o fato de não ter medo dela, me faz mais feliz também. Só fico preocupado em fazer coisas ridículas e também não quero me parecer como tal. É que quando fiz quarenta e oito anos estava triste, me olhei no espelho e me vi acabado.  Mas agora que fiz 56 estou muito feliz, me olhei no espelho e levei um susto! Não sei de quem é esse rosto com algumas rugas que teima em olhar para mim. Não conheço esse senhor que começa a se apresentar! Estou envelhecendo e o espelho não me desmente, mesmo porque não tenho mais tempo para perder com ele. Quero aproveitar a vida até o último minuto e em qualquer situação. Pretendo fazer tudo que eu nunca fiz, sou jovem na alma, no gestual, no vocabulário e no comportamento. Só no corpo é que não, mas isso é só um detalhe. Quero celebrar a vida com tudo que tenho direito, e que quando a morte chegar – e ainda vai demorar muito tempo! quero que ela me encontre enebriado de felicidade, para que eu possa cumprimentá-la. Ah, e antes dela chegar quero dar a minha última grande festa, onde estarão presentes todos os meus amigos.

56 anos

56 anos!

Um dia a morte vai chegar e vocês já fiquem sabendo o que quero: me vistam com uma roupa bem colorida e podem me colocar um par de óculos escuros! E um bom tanto do meu perfume preferido Fahrenheit Masculino, da Dior. E por favor – não me coloquem algodões no nariz e nem flores – junta mosquitos e eu não quero ninguém me abanando, espantando as moscas. Se quiserem, podem pintar o caixão de laranja e escrevam nele frases dos poemas de Fernando Pessoa e seus heterônimos. Quero música de fundo no velório, daquelas bem alegres. E como dizia minha avó Virgínia, quero muitos risos e que eles contagiem a todos. Depois podem me cremar e os chegados já sabem onde quero que espalhem as cinzas. Já está registrado em cartório!  (more…)

fevereiro 13, 2015

Já é Carnaval!

Não consigo esquecer o carnaval da minha infância! Venho de uma família extremamente católica, mas, por conta de minha insistência e de minhas irmãs, às vezes íamos ver os desfiles de rua, em Rio Claro/SP, que era conhecida como “A capital da Alegria”! Será que ainda é?

Quanta alegria, quanta festa eu e meus amigos fazíamos em nossa rua! Ficávamos em alvoroço para começar a brincadeira! Era uma festa bonita, alegre e inocente. O carnaval de minha infância e adolescência era muito legal… Era gostoso cantar as marchinhas, brincar… Era uma ode a felicidade! Mas, uma coisa era certa: na quarta feira de cinzas tínhamos que ir até a igreja “tomar as cinzas”. Na igreja católica, no dia de Quarta-Feira de Cinzas, os fiéis são marcados na testa com as cinzas em forma de cruz (as cinza vêm dos ramos bentos do Domingo de Ramos do ano anterior) ou a recebem um pouco sobre as suas cabeças, quando o sacerdote pronuncia a seguinte frase, à sua escolha: – “Lembra-te que és pó e que ao pó voltarás!” ou “Convertei-vos e crede no Evangelho!” Minha avó, Virgínia Calore Martini dizia que o Carnaval era coisa do Diabo, e que se não tomássemos cada um ficaria com um rabo que nasceria na quarta-feira de cinzas.

Imagem: Mónica Carretero

Imagem: Mónica Carretero

No carnaval, tínhamos os espirradores: que era uma bisnaga plástico, com um bico de furo bem pequeno, usado para jogar água nos carros que passavam nas ruas ou em nós mesmos. Era uma festa, ficávamos na calçada, um espirrando água no outro. Todo mundo já sabia que era brincadeira de criança, brincadeira de carnaval. O mundo mudou, os espirradores viraram lança perfume, que depois acondicionavam algum produto tóxico e entorpecente e depois sumiram. E a criminalidade aumentou e os pais não deixam mais as crianças sozinhas na calçada jogando água nos carros com espirradores… (more…)

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Escrito por PROF RAFAEL PORCARI, compartilhando sobre futebol, política, administração, educação, comportamento, sociedade, fotografia e religião.

Saia de viagem

Em frente, sempre.

alimmentos.wordpress.com/

congelados veganos

Mulher Moderna

Fazendo de tudo um pouco.

Memórias de Tereza

Um blog de memórias, recordações e lembranças familiares

Blog da Reforma

Um dia esta reforma acaba!

%d blogueiros gostam disto: