A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

julho 2, 2017

Vila Maria Zélia – um tesouro no centro de São Paulo

Post publicado originalmente em 11/01/2014

A Vila Operária Maria Zélia, foi construída para ser uma pequena cidade. Foram feitas 220 casas, com duas escolas, uma para meninas e outra para os meninos, ambulatório e serviço odontológico, uma praça principal com uma igreja ladeada por dois prédios idênticos, onde funcionavam o comércio, com farmácia, açougue, sapataria, armazém, salão de festas, e um clube, com um campo de futebol. Foi a primeira vila operária a ter uma creche para os filhos dos operários.

Moro em São Paulo há 11 anos, mas, sempre mantenho meu pé no interior do estado, onde nasci. Aqui na capital, procurei um apartamento que tivesse “cara” de casa. Hoje, vivo nesse apartamento que tem até uma pequena área externa, o que é um privilégio para quem mora na capital.

O inconveniente – pagar condomínio! Assim, de uns tempos para cá estou procurando um sobrado ou casa para possível  troca.

10

E lembrei  que há algum tempo, o Luiz e o Fabrício, amigos aqui da capital, me convidaram para assistir uma peça de teatro  que seria encenada em um  armazém de uma antiga vila de operários.  Cheguei, junto com eles, na Vila Maria Zélia. Fomos assistir a uma peça chamada “Hygiene”, apresentada no antigo armazém geral da Vila, escrita, concebida, dirigida e encenada pelo Grupo XIX de Teatro, que transforma praças, cadeias, hospitais, passagens subterrâneas, em “salas de teatro”.

Fiquei encantado. A Igreja, bem em frente, é simples, pequena e singela. As pequenas casas de inspiração europeia, infelizmente abrasileiradas no acabamento das fechadas, convivem em perfeita harmonia. Não há disparidades. Nada é ofensivo. Não há miséria, mas também não há ostentação.

zelia

Maria Zélia Street

No final da vila, um pequeno clube, com churrasqueira, quadra, campo de futebol e mesinhas para jogos de cartas ou dominó. O clima de interior é reforçado pelas hortaliças cultivadas em um canteiro, pelas crianças andando de bicicletas e pelos gatos perambulando nas ruas.

A sensação é de estar em uma cidade cenográfica. Moradores disseram que é sempre utilizada para comerciais, novelas e longas-metragens, como o filme O Corinthiano (1966), com Mazzaropi. (more…)

março 21, 2017

La Sagrada Familia, Barcelona

Quando falamos em Paris, logo vem em mente na nossa mente Torre Eiffel, em Dubai, o prédio Burj Khalifa e aqui no Brasil o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

Mas, ao falar em Barcelona, Espanha, a primeira imagem que vem em mente é o Templo Expiatório da Sagrada Família, ou somente Catedral da Sagrada Família. Ela é o símbolo da cidade.

Projetada inicialmente por Francisco de Paulo Del Villar, rapidamente a construção da magnífica estrutura passou para as mãos de um dos arquitetos mais reconhecidos e renomados do mundo, Antonio Gaudí, que a tocou até 1926, ano de sua morte. Frequentemente ele pedia que o trabalho fosse modificado e ajustado até que ficasse exatamente do jeito que queria. Porém, hoje, por conta da natureza dos desenhos existentes, seu trabalho está parcialmente aberto a interpretações. A interpretação dos desenhos por arquitetos atuais é bem desafiador porque as pedras da construção atual possuem um formato irregular.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O prédio ainda está sendo construído, então, ao visitá-lo, esteja pronto para ver muito trabalho sendo feito ali, ao vivo. E não deixe de conhecer o museu, dentro do prédio, no subsolo.

Independentemente de toda controvérsia ao redor da Sagrada Família (novos materiais de construção têm sido usados, os quais muitos acreditam que Gaudí não teria usado), é algo realmente magnífico e uma visita obrigatória quando você estiver em Barcelona.  (more…)

março 19, 2017

Convento e Santuário de São Francisco de Assis, em São Paulo

Em alguns domingos, costumo frequentar a missa no Convento e Santuário de São Francisco de Assis, que fica no centro de São Paulo. É uma missa linda e leve, lindamente celebrada, com música tocada e cantada ao violão por um rapaz de uma linda voz e que ao final sempre acaba com a apresentação de uma música tocada na gaita por um dos freis. É uma dessas cerimônias que a gente sai leve e feliz.

A igreja fica no Largo de São Francisco. “Largo” significa qualquer área urbana mais espaçosa do que as ruas que intercepta. Um desses espaços no centro da capital, é o Largo São Francisco, que abriga alguns marcos da história paulistana e é considerado o principal conjunto de arquitetura barroca da cidade. Nele estão instaladas a Faculdade de Direito da USP, a Igreja São Francisco de Assis e a Igreja Chagas do Seráfico Pai São Francisco. O local também é tido como o marco zero de uma das mais importantes avenidas de São Paulo, a Brigadeiro Luís Antônio.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Igreja de Ordem Primeira, ou simplesmente Igreja São Francisco de Assis, começou a ser construída em 1642. Inaugurada em 1647, ela foi construída em taipa de pilão e suas paredes têm 1,5 metros de espessura. Reformas no século XVIII dotaram características barrocas até que, em 1884, a fachada foi modificada e a entrada central foi aberta. Seu interior é simples, mas conta a história dos padres franciscanos em imagens, inclusive algumas portuguesas de grande valor como a de São Francisco, considerada a mais bela de um convento franciscano no país. Também é possível admirar pinturas da Virgem e de São Benedito. (more…)

março 11, 2017

Lembranças, saudades e cheiros de infância…parte 2

Hoje quero recordar as idas e vindas ao sítio de meus avós. Passeios que fazia com meu pai e que aconteciam quase todos em domingos ou feriados.

Íamos de bicicleta. Eram pouco mais de 12 km pela estrada de terra que ligava Rio Claro a Ajapí, distrito rural da cidade. Íamos pela estrada bem devagar, enquanto o cheiro da terra e do mato cortado recentemente, a brisa do vento e o aconchego do sol nos acompanhavam. Eu, na garupa, observava as flores, as árvores. Era uma delícia ouvir o canto dos pássaros e entre o silêncio e o entoar de algumas melodias que meu pai tentava assoviar, a felicidade acompanhava-nos. Não era preciso muito, aliás não era preciso nada, éramos apenas nós os dois e a natureza. E felizes…

pai

Meu pai, Antonio Martini, com minha avó, Virgínia Calore Martini

Não me recordo das palavras que ele falava no caminho. Meu pai era de pouco falar, e falava baixo. Sei que as palavras existiram mas não as tenho na memória. Das canções que ele tocava na sanfona ou dedilhava ao violão, estas sim, lembro-me de todas, faziam parte da história de vida do meu pai e eu gostava das suas histórias – das músicas e dos causos que ele contava. Havia sintonia, entrega, carinho e cumplicidade. Havia amor, mas um amor sereno e tranquilo que ele não demonstrava. Nada era obrigação. Tal e qual as árvores, o vento, o sol, as flores, a terra, os animais… (more…)

fevereiro 21, 2017

Dia do Imigrante Italiano – 21 de fevereiro

“A vida é o nosso maior tesouro, mas é passageira. Um dia vem a morte, o único evento comum a todos, que iguala reis e plebeus, burgueses e camponeses, pobres e ricos e todos voltam ao pó do qual somos formados. Das existências vividas restam apenas as obras e as memórias, que serão tesouros efêmeros para os que ficam, que por fim também se vão, e assim também as gerações seguintes… e a névoa do passado acaba por encobrir a história daqueles a quem devemos a nossa existência. Mas, desde o maior conquistador ao mais humilde lavrador, todo ser humano que vive dignamente do seu trabalho e com ele oferece aos seus filhos a oportunidade ímpar de existir, merece o reconhecimento e a admiração das gerações futuras. Estas vidas, com todos os seus sonhos, emoções, alegrias e tristezas, fazem parte da aventura que permitiu estarmos hoje aqui. Se deixarmos que as suas memórias morram, estaremos enterrando uma parte de nós mesmos; uma parte que está nos nossos genes, na nossa aparência, na nossa personalidade.” 
(citação retirada de http://www.ortensi.com/historia/index.php#intro)

genova-em-1900

Porto de Gênova, em 1900

Hoje, 21 de fevereiro, no Brasil é comemorado o Dia do Imigrante Italiano.

Giuseppe Martini, meu tataravô, veio para um mundo desconhecido, com a ilusão de “fazer a América”, de ficar rico, esperando dar aos seus filhos a educação e a esperança que ele não pode ter. Chegou no Porto de Santos em 10 de abril de 1886, no Vapore Perseo. No Brasil, toda sua família teve uma vida de luta e abnegação. Foram exemplos de coragem. Emigrou, enfrentando um grande desafio movido pelo amor à família. Luigi Matini tinha 16 anos quando chegou e por aqui se casou (em Araras/SP). (more…)

fevereiro 13, 2017

A Aventura da Família Grazioli

Aqui no Asimplicidadedascoisas já escrevi muito sobre os meus antepassados da Família Martini

Nunca havia escrito sobre a Família Grazioli, que é a italianada por parte de minha mãe. Se não escrevi não foi por falta de tempo, mas sim por falta de informações. Há mais ou menos um mês resolvi começar a pesquisa para completar a minha árvore genealógica. Tinha algumas certidões de óbito, dados anotados de conversas que tive com minha mãe e tios… Quase nada de concreto.
O que sabia de meu avô João Grazioli é que ele casou-se com Thereza Bianchini em 13 de fevereiro de 1926 e que teve os filhos: Delfina, Maria Angela, Joana Nathalina, Ercídio Maurício, Elizeu Jorge e Arthur Guilherme.
Quando minha mãe estava com 16 anos a minha avó faleceu. Moravam na Fazenda Mata Negra, no distrito de Morro Grande, hoje Ajapi, em Rio Claro/SP. Meu avô, com um dos irmãos, tinham terras por lá. Plantavam cana e fabricavam açúcar e cachaça. Minha tia Delfina, então com 18 anos, acabara de se casar com Otávio Fossaluza e mudou-se da fazenda. E assim a minha mãe acabou de criar os outros quatro irmãos.

1

Aristides (?) com João Grazioli

3

João Grazioli

Meu avô acabou perdendo a parte na fazenda por um ato nada lícito que não vou relatar aqui por não saber se realmente aconteceu. Sei que ele e os filhos mudaram-se para a cidade – Rio Claro/SP – onde abriu uma mercearia. Também perdeu esse comércio. Salvo engano a mercearia ficava na Avenida 32-A esquina com a Rua 4-a, na Vila Alemã. (more…)

janeiro 30, 2017

Cidadania italiana

Seria impossível descrever o quanto estou feliz por concluir mais essa etapa da minha vida. O tão sonhado reconhecimento da minha cidadania italiana chegou hoje, pelos correios. Para uns, o processo é bem tranquilo. Para mim, de tranquilo não teve nada.

Leia mais sobre a minha saga em relação a cidadania clicando aqui

Em meados de 1985 decidi ir atrás da minha cidadania italiana pois sabia que meu bisavô era italiano. Aliás, todos os meus antepassados vieram de lá. Falei com meus pais, tios, enfim – todos os mais antigos da família e também os amigos deles para saber de onde o nono Martini era. Todos diziam que era de Treviso, no Vêneto. Mas e o Comune? Nada!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Escrevi muitas cartas para diversas comunes, Gastei muita grana com certidões que venciam ano a ano. Achei o desembarque no Porto de Santos – chegaram em 10 de abril de 1886. E posteriormente descobri que ele não se naturalizou. Ufa!

Passaram-se anos até descobrir que ele veio de Cornuda, uma cidadezinha perto de Treviso.

Nesse meio tempo tive que retificar o meu nome e todos os documentos. Assinava Martin por um erro de registro. Quando meus pais se casaram houve um erro no cartório. E quando eu e minhas irmãs nascemos o erro persistiu. Retifiquei para Martini. (more…)

janeiro 29, 2017

Sintra – onde a nobreza e a elite de Portugal se encontram

Sintra tem clima ligeiramente mais fresco e por isso atraiu a nobreza e elite de Portugal, que construiu por lá palácios requintados, residências extravagantes e jardins decorativos. A variedade de edifícios históricos fascinantes e as belíssimas paisagens estabeleceram Sintra como um dos melhores destinos turísticos, assim como a viagem complementar mais popular a partir de Lisboa. Eu fiz um bate e volta de um dia e valeu a pena. Mas se você tiver dois dias disponível e puder dormir por lá, não pense duas vezes e aproveite.

Para uma cidade relativamente pequena, existe um número vasto de monumentos históricos e atrações turísticas interessantes. Contidos no interior de Sintra existem mais do que 10 monumentos nacionais, incluindo palácios opulentos, ruínas antigas e habitações decorativas. Estas atrações encontram-se espalhadas pelas colinas da região e muitas delas é um desafio para quem gosta de caminhar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No centro histórico existem belas ruas de paralelepípedos, com lojas e cafés tradicionais, tudo em redor do Palácio Nacional em estilo gótico.

Sintra proporciona uma viagem agradável de um dia a partir de Lisboa e eu recomendo uma visita ao Palácio Nacional, ao Castelo dos Mouros e ao Palácio da Pena. Existe um serviço econômico e regular de trens que liga Lisboa a Sintra.

O Palácio Nacional, de estilo gótico, foi utilizado extensivamente pela nobreza portuguesa entre os séculos XV e XIX e testemunhou o crescimento do país. As características exteriores mais distintas do palácio são duas chaminés enormes que se estendem desde a cozinha, enquanto no interior os quartos refletem a extensa história do palácio.

O Castelo dos Mouros ergue-se sobre Sintra e é um antigo castelo em ruínas, que data da era dos Mouros (séculos VIII a XII). O castelo foi parcialmente restaurado no século XIX, para se tornar num elemento central da área do Palácio da Pena. Das muralhas do castelo é possível observar paisagens fantásticas sobre Sintra e a região circundante.     (more…)

janeiro 25, 2017

Lisboa – uma cidade para amar e sonhar!

A história de Portugal é dominada pelas descobertas dos exploradores marítimos, sendo que as mais importantes datam do princípio do século XV. A época dourada dos descobrimentos foi iniciada pelo Infante Dom Henrique, o Navegador, que queria quebrar o monopólio árabe das rotas comerciais de África e da Ásia. Os famosos exploradores portugueses incluem Bartolomeu Dias, que foi o primeiro europeu a passar o Cabo da Boa Esperança em 1487, Vasco da Gama, que descobriu o caminho marítimo para a Índia, Pedro Álvares Cabral, que foi o primeiro europeu a chegar no Brasil em 1500, e Fernão de Magalhães, que foi a primeira pessoa a atravessar todos os meridianos do globo. Esta época viu o sucesso dos exploradores portugueses em adquirir o monopólio da maioria do negócio das especiarias e as suas expedições ao Japão e ao Novo Mundo trouxeram grandes riquezas e poderio a Portugal. As novas descobertas não só trouxeram riquezas em termos de ouro, prata e especiarias, mas também poder e influência. A difusão do Catolicismo foi talvez o mais duradouro dos efeitos dos descobrimentos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em 1755,  em 1 de Novembro, um dos mais arrasadores e mortíferos terramotos da história da humanidade atingiu Lisboa. Estima-se que cerca de um quarto da população de 200.000 habitantes de Lisboa foi dizimada. Outros dizem que esse número chegou a 100. 000 mortes. O terramoto, que mediu cerca de 9 na escala de Richter, foi logo seguido por um tsunami e por extensos incêndios que em conjunto destruíram grande parte da cidade. O acontecimento tornou piores as tensões políticas em Portugal, protelando as suas ambições coloniais, mas recebe créditos por ter sido o berço da ciência da sismologia moderna. Apesar da catástrofe e graças à enorme riqueza colonial portuguesa, foi montada uma operação de recuperação em grande escala e dentro de meses o centro da cidade de Lisboa estava já reconstruído. Os neoclássicos bairros centrais de Lisboa foram os primeiros do mundo a ser desenhados como sendo à prova de terramoto e conta-se que foram usadas muitas tropas a marchar para recriar os efeitos dum cismo perto dos edifícios para testar os efeitos. A reconstrução concentrou-se na parte baixa da cidade e o declínio econômico português subsequente impediu a completa ressurreição de Lisboa. Até no início do século XIX havia relatos de ruínas que não tinham sido reconstruídas. Alguns edifícios proeminentes no estilo manuelino sobreviveram ao terramoto, incluindo a Torre de Belém e o Mosteiro dos Jerônimos, ambos classificados pela UNESCO como Património da Humanidade. (more…)

janeiro 23, 2017

Madrid – passeios imperdíveis

Como prometi, seguem algumas dicas de lugares imperdíveis em Madri. Algumas indicações são do blog Vamos para Espanha o qual vale muito a pena uma visita!

Fiz quase todos os trajetos a pé. Utilizei muito pouco o metrô. Mas, se você não é de andar, não desanime. O metrô de Madri tem 98 anos e muitas estações! Vejam que São Paulo tem muito a aprender com a cidade. Em 1919, quando foi inaugurado, a linha 1 de Madri tinha apenas 8 estações e 4 km.  Hoje é um dos melhores do mundo. Tem 301 estações e é a terceira cidade no mundo no ranking dos Metrôs. Somente Nova York e Paris a superam em número de estações. Tem 294 km de extensão (a quarta rede do mundo em extensão). Tem 13 linhas, sendo a maior parte subterrânea. Mas isso é assunto para outro post. Vamos para as dicas.

O Museo del Prado – é uma das maiores pinacotecas do mundo e, desde a sua inauguração em 1819 se tornou um dos primeiros museus de arte do mundo. O edifício, construído na década de 1780-90, foi projetado por um arquiteto neoclássico, Juan de Villanueva, o mesmo que desenhou a bandeira do Jardim Botânico.  O Museo del Prado tem mais de 9.000 obras em seu acervo exibe maravilhas como “As Meninas” de Velásquez, Rafael, El Greco, Rembrandt, Fra Angelico, etc.  Site Oficial

O Palácio Real, que começou como fortaleza, posteriormente o Antigo Alcázar e finalmente Palácio Real. Conhecido por ser a residência oficial da Vossa Majestade o Rei de Espanha, o certo é que o Rei Juan Carlos não mora lá. Imponente e ricamente decorado serve de cerimonial para eventos  e recepções oficiais do Estado, encontros diplomáticos, onde também é possível visitar seu museu.

As origens do palácio datam do século IX, quando o reino muçulmano de Toledo, preocupado pela sua defesa ante as investidas cristãs, edificou uma fortaleza que mais tarde seria usada pelos reis de Castela. No século XVI foi construído o forte sobre os mesmos alicerces.

O palácio foi incendiado no Natal de 1734 e reconstruído durante o governo de Felipe V. O edifício, cujas obras se realizariam entre 1738 e 1755, foi contemplado com uma estrutura abobadada, com pedras e tijolos, sem matérias inflamáveis. Carlos III foi o primeiro monarca que estabeleceu neste a sua residência em 1764. Imperdível!

Com um lindo jardim, o museu tem um magnífico acervo, com obras de   Juan de Flandres (Políptico de Isabel a Católica), Caravaggio (Salomé com a cabeça de João Batista), Velázquez e Goya, além de instrumentos musicais, como o quarteto realizado por Stradivarius, e as peças da Real Armaria. Visita virtual.  Site Oficial

Este slideshow necessita de JavaScript.

Catedral de la Almudena – ao lado do Palácio Real, esta igreja começou a ser construída no fim do séc. XIX , onde havia a antiga muralha árabe que rodeava a cidade e foi terminada em 1993 consagrada pelo Papa João Paulo II. Neoclássica por fora e gótica por dentro, é linda com pinturas coloridas no teto, tendo como destaque a  impressionante imagem da N. Sra. de la Almudena em madeira prata (veja sua história aqui) e o túmulo de San Isidro, padroeiro de Madrid. Em 2004 foi cenário do casamento dos Príncipes de Astúrias.

Real Jardim Botânico – estava fechado para restauro nos dias que estive em Madri, mas deve ser uma delícia passear pelas alamedas, descobrir suas flores, seus perfumes. Criado em 1755 por Fernando VI às margens do rio Manzanares, com mais de 2000 plantas foi transferido em 1744 para o Passeio do Prado, com projeto de Sabatini e Juan de Villanueva, com estufas, labirintos, e sua bela coleção de plantas ornamentais, aromáticas e medicinais. É um lugar imperdível para passear e apreciar plantas e flores do mundo todo, com  5000 espécies de árvores, plantas e rosas coloridas.  Site Oficial

(more…)

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: