A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

janeiro 13, 2021

Outras lembranças de infância – campeonato de melancias!

O post anterior foi com lembranças de minha irmã mais velha, a Tereza. E este traz lembranças da Ivone, minha irmã do meio, que mandou um áudio pelo WhatsApp, lembrando de quando a gente ia passar alguns dias das férias escolares no sítio de nossos avós paternos.

Além de plantarem nas terras do sítio dos Martini, meu avô e tios arrendavam parte de sítios próximos para plantar arroz, feijão e milho etc. Quem já morou em sítio sabe que o trabalho é pesado e as refeições são reforçadas. Por volta das 10 horas da manhã é levado o “café” para os trabalhadores, que nada difere de uma refeição como o almoço. A comida era acondicionada em caldeirões individuais de alumínio, onde tinha arroz, feijão e a “mistura”. Em garrafinhas de vidro era levado o café. Por volta de 13h tinha repeteco: era levado o almoço.

A Ivone lembrou que ela, a Tereza, a Cida e a Antônia (nossas primas que moravam no sítio) iam levar a comida para os trabalhadores na roça (onde os homens estavam cuidando da plantação). Nossa avó tinha também que preparar um caldeirãozinho para cada uma delas, pois queriam comer junto com os trabalhadores, lá, na plantação. E o nosso avô Primo Martini e os filhos,  cultivavam melancias no meio da plantação de arroz.

Em um dos dias, quando as meninas chegaram com o almoço, ela lembrou que nosso avô a pegou por uma das mãos e a levou até o meio do arrozal. Ele já havia escolhido duas melancias e as tinha colocado embaixo das palhas do capim seco que havia sido recentemente carpido, para que ficassem frescas. Depois do almoço as partiu e todos comeram. 

Mas, nesse dia em especial, nosso avô disse para elas: “vamos apostar quem come mais melancia?” E a Ivone começou a comer tanta melancia, tanta, que acabou passando mal. Nosso avô teve que colocá-la na carroça e levá-la urgentemente para a casa de nossa avó. A plantação que estavam cuidando era num sítio próximo, o sítio dos Koelle. 

Quando chegaram na casa de minha avó, ela ficou muito brava com ele e disse: “Primo, onde já se viu fazer uma coisa dessas? Você é adulto, mas ela é uma menininha, ela é uma criança, ela está passando mal!”

Ivone lembra que a nossa avó fez um chá de alguma erva amarga e a fez engolir goela abaixo. Em seguida vomitou muito, botou tudo para fora e melhorou.

Uma curiosidade: lembro que a maioria das melancias plantadas no sítio não eram consumidas ou vendidas. Serviam para alimentar os porcos.

setembro 7, 2018

Os Ipês estão floridos

Estou passando o final de semana prolongado em Rio Claro/SP, minha terra natal e encantado com os ipês floridos. Agora acontecendo as floradas dos amarelos e rosas. Dias atrás eram os roxos e brancos.

Thoureau, que amava muito a natureza, escreveu que se um homem resolver viver nas matas para gozar o mistério da vida selvagem será considerado pessoa estranha ou talvez louca. Se, ao contrário, se puser a cortar as árvores para transformá-las em dinheiro (muito embora vá deixando a desolação por onde passe), será tido como homem trabalhador e responsável. Lembro-me disso todas as manhãs, pois na minha caminhada para o trabalho passo por um ipê rosa florido. A beleza é tão grande que fico ali parado, olhando sua copa contra o céu azul. E imagino que os outros, encerrados em suas pequenas bolhas metálicas rodantes, em busca de um destino, devem imaginar que não funciono bem.

 

Gosto dos ipês de forma especial. Questão de afinidade. Alegram-se em fazer as coisas ao contrário. As outras árvores fazem o que é normal – abrem-se para o amor na primavera, quando o clima é ameno e o verão está prá chegar, com seu calor e chuvas. O ipê faz amor justo quando o inverno chega, e a sua copa florida é uma despudorada e triunfante exaltação do cio. (more…)

maio 6, 2018

04 dias em Viena, na Áustria

Viena é conhecida como a Capital Mundial da Música, pois nela está gravada a história de compositores tão influentes como Mozart, Beethoven ou o rei das valsas, Johann Strauss. No inverno, um manto de neve cobre a cidade dando-lhe uma aura de beleza e encanto. Nos meses mais quentes, os parques, as esplanadas e as elegantes boulevards enchem-se de pessoas. Vale a pena visitar os Palácios de Hofburg que conta com mais de 600 anos de história, seus museus, a Biblioteca Nacional, onde você pode admirar o Tesouro Imperial. O enorme Palácio e os jardins de Schönbrunn são equiparáveis a Versailles. Visite também o Palácio Belvedere e não perca a esplendorosa e sofisticada Casa da Ópera, símbolo máximo das artes de Viena.

A Catedral de Santo Estêvão e a Igreja de S. Carlos Borromeu não o deixarão indiferente bem como um passeio pela Avenida Ringstrass e pelas suas suntuosas praças. A riqueza cultural é imensa com vários museus de interesse. Não deixe de visitar o Quarteirão dos Museus, espaço com vários museus, restaurantes e esplanadas e a Casa de Mozart, grande influência na cultura musical austríaca. Não deixe de frequentar os muitos e conhecidos cafés vienenses. Se tiver oportunidade faça um cruzeiro pelo maravilhoso rio Danúbio.

Terra de imperadores, compositores e artistas, a capital austríaca, situada nas margens do Danúbio, foi considerada a cidade com maior qualidade de vida do Mundo. Caracterizada por uma mistura única de tradições imperiais e arquitetura moderna impressionante, Viena é famosa pelos seus eventos culturais, pontos turísticos, cafés, tabernas de vinho e encanto especial.

Este slideshow necessita de JavaScript.

(more…)

setembro 22, 2017

A minha Primavera e a Primavera de Botticelli!

Quem não acorda com saudades de qualquer coisa?
Eu acordo sempre com saudade de ver os raios de sol entrarem pela janela em minha casa de infância, saudades do tempo perdido que uma pessoa não aproveitou como devia ser, saudades de um pouco de tudo…
A saudade é a luz viva e nítida que ilumina a estrada do passado. Hoje acordei com saudades da Primavera de antigamente… O tempo tem estado tão maluco que as estações do ano não são mais tão definidas.

De quanto criança, lembro da chuva, do nevoeiro, do  frio…

Mas hoje,  estamos na Primavera. A estação mais bela do ano! Céu claro, pássaros cantando, a vida florescendo. Luz para o corpo e alma.

Lembrei-me de partilhar com vocês este quadro de Sandro Botticelli. Porque o belo nos enche o peito! Porque a natureza nos devolve sentimentos adormecidos!

Feliz Primavera!

A Primavera vai entrando no jardim, lançando flores por onde passa, perfumando tudo, enchendo tudo de maravilha.

Esta obra foi criada no ano de 1482. Época em que os pintores renascentistas inspiravam-se em fábulas mitológicas para realizarem as obras destinadas a adornar edifícios. O quadro “A Primavera” foi encomendado por Lorenzo di Pierfrancesco de Médicis para ser colocado na villa Mediceia de Castello.  (more…)

agosto 16, 2017

XV de Piracicaba e seu hino caipira

Não sou muito ligado em futebol, mas em Rio Claro, minha cidade natal, gostava muito de assistir ao derby rio-clarense. Era um clássico, com guerra entre as torcidas do Velo Clube Rio-clarense – conhecido como Rubro Verde (meu time de coração por lá!) e o Rio Claro Futebol Clube, conhecido como Galo Azul ou Azulão. Outro jogo bem concorrido era quando um desses dois times jogava com o XV de Piracicaba.

xv

O XV é um dos clubes mais conhecidos do futebol do interior paulista. Fundado em 1913, e igual aos times da região, nunca foi uma equipe de títulos expressivos. Mas é um time conhecido por sua simpatia entre todos. Porém há sempre quem tente ofuscar o grande “Nhô Quim” (Sinhô Quinze), confundindo os fãs e torcedores com o mesmo nome. (more…)

janeiro 22, 2017

São Paulo, 463 anos: não sou conduzido, conduzo!

O dia do aniversário de São Paulo é comemorado em 25 de Janeiro, data em que foi celebrada a primeira missa no então planalto de Piratininga, terra escolhida pelos padres jesuítas José de Anchieta e Manoel da Nobrega para iniciar o processo de catequização dos índios.

Em 1553, José de Anchieta e Manoel da Nobrega estavam em busca de um local seguro para a construção de um Colégio de Jesuítas, e saíram do litoral rumo ao interior, onde encontraram o planalto de Piratininga, que reunia as condições necessárias, e tinha um clima parecido com alguns lugares da Europa, como a Espanha.

Quando terminaram a construção do Colégio foi celebrada uma missa em 25 de Janeiro de 1554, mesmo dia em que se celebra na tradição católica a conversão do apóstolo Paulo ao cristianismo, para marcar o início daquela fase de catequização, a data que seria escolhida posteriormente como o aniversário da cidade, que passaria a ser chamada de São Paulo em razão daquela tradição.

Apesar de a data ser considerada como a fundação de São Paulo, o planalto de Piratininga somente foi reconhecido como a Cidade de São Paulo 157 anos depois com o reconhecimento do Rei de Portugal.

(more…)

novembro 20, 2016

Giacomo Puccini e sua Tosca – para mim, ele é pop!

Sim eu aprecio muito a música clássica. Apesar de não ter um profundo conhecimento sobre a mesma, gosto imensamente. Enquanto meus amigos ouviam Rock eu já gostava de ouvir Mozart,  Frederic Choppin, Beethoven, J. S. Bach e outros famosos compositores deste gênero de música. Todos os anos na noite de Natal na minha paróquia ouvia Messias Hallelujan de G. F. Handel. E me emocionava!

Eu adoro música, sou bem versátil. Tenho o certo dia para o tipo de música. Tem dias que posso escutar bossa nova o dia todo. Outro dia Frank Sinatra, Nat King Cole, Celine Dion, Barbara Streisand, Rod Stewart,  Tony Bennett, Neil Diamond, Dionne Warwick, Elvis, Elton John, etc, etc..

Também aprecio chorinho, samba enredo ,bolero e tango. Quando toca uma música eu logo digo: adoro esta música. Qual música que realmente não gosto? Rapp e funk!

Bem já escrevi bastante sobre o assunto por aqui, mas é sempre  o que acontece quando escrevo sobre algum assunto apaixonante. Boa música é uma coisa de Deus!

Adoro as óperas e suas árias, principalmente trechos de La Boheme, Madame Buterfly, Tosca (deu para perceber que gosto de Puccini e que ele é um de meus preferidos, não é?). Mas, como música, nada se compara ao intermezzo de Cavalleria rusticana (ouça e me diga se não é verdade). Porém, adoro também as óperas de Mozart.

Voltando ao Giacomo Puccini, li o trecho que segue abaixo no site Sobretudo, música  e o transcrevo.

Sentimentos poderosos como o amor e seu oposto, o ódio, e uma variante desses dois elementos – o ciúme –, fazem parte do enredo de Tosca, uma das óperas mais conhecidas de Giacomo Puccini. Ah, e o poder personificado no mal. Você conhece esse enredo, não? Pensando bem, faz parte da vida cotidiana.

Nas óperas, na literatura e em alguns casos da vida real, esses elementos se apresentam potencializados; essa é a diferença. Quem sabe, críticas em relação a determinado esquematismo dos “librettos” ou aos roteiros dos musicais, sejam injustos: se na ficção alguma coisa parece exagerada, pensando bem, a realidade é mais tudo e mais alguma coisa em sua crueza; a mulher traída mutila seu par, o traficante deixa expostas cabeças cortadas de suas vítimas para servirem de exemplo, o vizinho estupra e mata o amigo em guerras. (more…)

outubro 21, 2015

De volta para o futuro 2 – hoje é o dia em que passado, presente e futuro vão colidir

Hoje é o dia em que passado, presente e futuro vão colidir. É o dia em que Marty McFly aterrissou no futuro 2015 para salvar Marty Jr., seu filho ainda não nascido, em De volta para o futuro II (1989). Além disso, em 2015 se comemora o 30o aniversário do primeiro filme da saga criada por Robert Zemeckis.

No ano de 2015 imaginado por Robert Zemeckis, os carros e os skates voavam. Ainda havia aparelhos de fax, mas os cadarços de tênis se amarravam sozinhos e se bebia Pepsi Perfect, que a empresa lança agora para o aniversário do filme.

Quando Zemeckis rodou De volta para o futuro II em 1989, realmente imaginou que as telas invadiriam nossas vidas, que as televisões seriam planas, que haveria videoconferências e que o 3D estaria em toda parte. E ele diz não entender o mau uso que se faz hoje da tecnologia como isca para a audiência. (more…)

abril 17, 2015

Quais são as coisas que te fazem feliz?

“Tem dias que a gente se sente, como quem partiu ou morreu…” ou então acordamos cansados, desanimados, não é?

Mas, para você não se sentir assim, acesse o #100happydays – que é um projeto que incentiva as pessoas a enviar uma foto das coisas que as fazem felizes, durante 100 dias. Então, que tal participar? Veja no site como funciona o projeto e envie as suas fotos também. Não deixe o desânimo e o cansaço tomarem conta do seu dia. Pense bem! Sempre temos muitos motivos para sorrir, não é?

Acesse o site http://www.100happydays.com/pt/

1

2 3 4

fevereiro 5, 2015

A música como protagonista de sentimentos

Catástrofes, perdas, mortes, alegrias, tudo isso nos deixa confusos. O que temos de mais básico se perde ou se mistura a sentimentos confusos. Nesses momentos falamos demais ou não falamos nada, e buscamos explicações estranhas que não cabem no mais evidente, que não funcionam na luz e que muitas vezes se escondem numa escuridão inexplicável e tumultuada.

E são nesses momentos que muitas vezes uma música passa ser a nossa trilha sonora. E tem a música que pega a gente na madrugada, quando não conseguimos dormir. Ou em qualquer hora do dia. Aquela que te vê desprevenido, chega e causa um sentimento indefinível. São os hits perfeitos tocando na rádio durante a madrugada ou em CD rodando no aparelho de som. Música romântica ou qualquer outra que te faça lembrar de alguém ou de algum lugar. Garanto que todo mundo tem a sua.

Muitas vezes coloco a música como protagonista – e fico de fundo, só no deleite… Esparramado na rede ou no sofá, ou fazendo uma faxina no apartamento. Sim, tem música boa para fazer faxina. Para mim, são as músicas bregas! E penso que a música pode dar respostas e cobrir ausências. Essa é uma tática para inverter a prática de usar a música para passar o tempo e para complementar algo mais importante.

A importância ou fuga passa a ter nome, duração, compositor e intérprete. Usar a música para certas ocasiões é ter um interlocutor que fala bonito, que modula, que faz a gente chorar, ou sair pulando ou gritar. Música para descobrir todo dia e receber com admiração, desprezo, surpresa… Música para falar mal, lembrar, esquecer e ignorar algo ruim na vida.

Escrever sobre, descrever a música é um pecado – ela necessita estar em corpo presente. Uma música pode nos tornar um ser de outro planeta, excêntrico, isolado – é assim que muita gente nos vê/sente por gostar de coisas estranhas, obscuras e passar a imagem de elitista.

Mas em algum momento, naquele dia bacana, você encontra alguém que gosta de uma música que sempre achou que só você e o compositor que a compôs e/ou gravou gostavam. E acontece uma afinidade eletiva. Música é pano de fundo, e tal qual o pano pode cobrir a cena e dar a cor que ela merece.

E claro, não dá para falar de música sem ouvir… A música abaixo foi o pano de fundo do meu domingo… Na hora do almoço. Na cozinha, preparando a comida e junto com a pessoa que mais amo.

Da missa Requiem de Mozart – Lacrimosa – Karl Böhm  e a Sinfônica de Viena

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.

DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Escrito por PROF RAFAEL PORCARI, compartilhando sobre futebol, política, administração, educação, comportamento, sociedade, fotografia e religião.

Saia de viagem

Em frente, sempre.

Alimmentos

congelados 100% veganos

Mulher Moderna

Fazendo de tudo um pouco.

Memórias de Tereza

Um blog de memórias, recordações e lembranças familiares

Blog da Reforma

Um dia esta reforma acaba!

%d blogueiros gostam disto: