A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

setembro 22, 2018

Feliz Primavera!

“A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la.”
Cecília Meireles

Todos os anos, no dia 23 de setembro, tem-se oficialmente declarado o início da Primavera, uma das quatro estações do ano. Mas, nessa data, é primavera apenas no Hemisfério Sul, pois no Hemisfério Norte, nesse mesmo dia, inicia-se o outono.

Do ponto de vista técnico, a primavera não necessariamente coincide com a sua data oficial. Ela pode ter início no dia 22 ou no dia 23 de setembro.Mas o que marca, astronomicamente, o início da primavera?

A data de início da primavera possui relação com um fenômeno chamado equinócio. A palavra equinócio vem do latim equus (igual) e nox(noite), e significa “noites iguais”. Nesta ocasião, o dia e a noite tem igualmente 12 horas de duração cada período. Esse é um momento de equilíbrio perfeito entre as energias do Sol e Lua, dia e noite. Equinócio é definido como o instante em que o Sol, em sua órbita, como vista da Terra, cruza o Equador celeste. O Equinócio de Primavera, também é conhecido como Ponto Vernal, consiste no momento em que o Sol atravessa o Equador da direção Sul para o Norte.

Minha avó paterna, Virgínia Rosin Calore Martini, com suas rainhas margaridas,  num!a distante primavera

No Hemisfério Sul, onde estamos localizados, no Brasil, este fenômeno ocorre entre os dias 20 e 24 de setembro. No Equinócio, ambos os Hemisférios da Terra encontram-se igualmente iluminados pelo Sol. A partir dele, os dias começam a ficar mais longos e a temperatura do ar e dos Oceanos cada vez mais quente.

É válido lembrar, porém, que o equinócio exato só ocorre em um momento do ano, pois logo depois a luz solar vai gradativamente se inclinando para o hemisfério sul, fazendo com que, aos poucos, os dias vão se tornando cada vez maiores do que as noites. Quando esse processo atinge o seu ponto máximo, ou seja, o momento em que o dia estiver maior o possível, temos o solstício, que costuma ocorrer no dia 21 de dezembro, encerrando a primavera e iniciando o verão.

Perceba, porém, que as estações do ano são apenas convenções. Pois, se pensarmos bem, a data de início da primavera é apenas o ápice do posicionamento da Terra em relação aos raios solares durante o movimento de translação. Pois, à medida que o tempo passa, mais próximo do verão estamos e gradativamente temos “menos primavera” com o passar dos dias.

É válido mencionar que, não necessariamente, a primavera é a “estação das flores”. Isso porque essa estação provoca diferentes efeitos sobre os diferentes lugares, de modo que nem sempre essa época do ano obedece ao estereótipo do céu azul, sol radiante, temperaturas amenas e ambiente florido. No Brasil, por exemplo, nesse período, muitas regiões começam a receber as fortes chuvas, que costumam se iniciar no final do mês de setembro e no início do mês de outubro, prolongando-se durante quase todo o verão.

No Brasil, é também durante a primavera que o fenômeno do El Niño se manifesta, atuando principalmente com a intensificação das chuvas no centro-sul do país e aumentando o período mais seco no norte e no nordeste.

O Equinócio de Primavera era chamado pelos povos celtas de “Rito de Ostara”. Ostara era conhecida por esses povos como a deusa da Aurora. Durante esse evento astronômico, os celtas realizavam um ritual de fertilidade que celebra o redespertar da vida na Terra, visto que a primavera, enquanto estação do ano, procede do inverno. Nessa celebração plantavam-se sementes, pois acreditava-se que a energia emanada nesse período faria com que a vida florescesse com intensidade. Simbologicamente, a primavera é o momento de deixar as dificuldades irem embora, toda secura e infertilidade do inverno devem partir, para dar lugar a semeadura da alegria e da harmonia com a chegada da primavera. É um momento de equilíbrio, cura, esperança e renovação.

Feliz Primavera!

Quando eu flor. Quando tu flores. Quando ele flor … Nós flores seremos. E o mundo florescerá. Que esta primavera perfume o seu coração com todos os aromas da alegria. Que o calor seja suave. E que a brisa seja amena. Que o perfume seja doce. E que cada dia valha a pena. Que estes três meses lhe renovem a paz, o amor, a saúde  e a força para seguir com os projetos da sua vida. Deixe que a vida faça contigo, o que a primavera faz com as flores. Encante – se! Transborde cor! Espalhe amor! Primavere – se.
Anúncios

setembro 7, 2018

Os Ipês estão floridos

Estou passando o final de semana prolongado em Rio Claro/SP, minha terra natal e encantado com os ipês floridos. Agora acontecendo as floradas dos amarelos e rosas. Dias atrás eram os roxos e brancos.

Thoureau, que amava muito a natureza, escreveu que se um homem resolver viver nas matas para gozar o mistério da vida selvagem será considerado pessoa estranha ou talvez louca. Se, ao contrário, se puser a cortar as árvores para transformá-las em dinheiro (muito embora vá deixando a desolação por onde passe), será tido como homem trabalhador e responsável. Lembro-me disso todas as manhãs, pois na minha caminhada para o trabalho passo por um ipê rosa florido. A beleza é tão grande que fico ali parado, olhando sua copa contra o céu azul. E imagino que os outros, encerrados em suas pequenas bolhas metálicas rodantes, em busca de um destino, devem imaginar que não funciono bem.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Gosto dos ipês de forma especial. Questão de afinidade. Alegram-se em fazer as coisas ao contrário. As outras árvores fazem o que é normal – abrem-se para o amor na primavera, quando o clima é ameno e o verão está prá chegar, com seu calor e chuvas. O ipê faz amor justo quando o inverno chega, e a sua copa florida é uma despudorada e triunfante exaltação do cio. (more…)

Jade – Macropotrys Strongylodon

Este slideshow necessita de JavaScript.

Macropotrys Strongylodon, vulgarmente conhecida como jade videira, videira esmeralda ou turquesa jade videira, é uma espécie de leguminosa perene liana, nativa das florestas tropicais das Filipinas, que veio morar em nosso quintal de Rio Claro e que todo ano nos brinda com seus cachos, anunciando a proximidade da primavera!

 

agosto 17, 2018

Minha alma está em brisa

MINHA ALMA ESTÁ EM BRISA

Contei meus anos e descobri que tenho menos tempo para viver a partir daqui, do que o que eu vivi até agora.

Eu me sinto como aquela criança que ganhou um pacote de doces; O primeiro comeu com prazer, mas quando percebeu que havia poucos, começou a saboreá-los profundamente.

Já não tenho tempo para reuniões intermináveis ​​em que são discutidos estatutos, regras, procedimentos e regulamentos internos, sabendo que nada será alcançado.

Não tenho mais tempo para apoiar pessoas absurdas que, apesar da idade cronológica, não cresceram.

Meu tempo é muito curto para discutir títulos. Eu quero a essência, minha alma está com pressa … Sem muitos doces no pacote …

Quero viver ao lado de pessoas humanas, muito humanas. Que sabem rir dos seus erros. Que não ficam inchadas, com seus triunfos. Que não se consideram eleitos antes do tempo. Que não ficam longe de suas responsabilidades. Que defendem a dignidade humana. E querem andar do lado da verdade e da honestidade.

O essencial é o que faz a vida valer a pena.

Quero cercar-me de pessoas que sabem tocar os corações das pessoas …

Pessoas a quem os golpes da vida, ensinaram a crescer com toques suaves na alma

Sim … Estou com pressa … Estou com pressa para viver com a intensidade que só a maturidade pode dar.

Eu pretendo não desperdiçar nenhum dos doces que eu tenha ou ganhe… Tenho certeza de que eles serão mais requintados do que os que comi até agora.

Meu objetivo é chegar ao fim satisfeito e em paz com meus entes queridos e com a minha consciência.

Nós temos duas vidas e a segunda começa quando você percebe que você só tem uma…

Observação: recebi por WhatsApp. Uma querida amiga enviou. Desconheço o autor.

agosto 5, 2018

Céu e Inferno

Quanto eu era garoto em Rio Claro/SP, passava muito tempo do lado de fora da casa, parte do tempo olhando para o céu da noite. A luz dos postes era bem fraca. Então, a luz da lua era quase a única a desafiar a luz das estrelas. E elas me davam uma sensação inexpressível de admiração. E minha mãe ensinava: “ali está o Cruzeiro do Sul. Aquelas são as Três Marias”. E, ao mesmo tempo dizia: “não aponte as estrelas com o dedo menino!”. Na crença popular, o apontar estrelas com os dedos acarretaria em “ganhar” verrugas nas mãos.

Quando ia para o sítio de meus avós essa admiração pelo céu noturno era ainda maior. Pois o espetáculo que se apresentava frente aos olhos era magnífico por conta da escuridão da noite!

A minha avó paterna, Virgínia Calore Rosin Martini, me disse que o céu ficava ali, “no céu das estrelas”: o lugar onde Deus mora. O lugar onde pessoas boas vão quando morrem.

hieronymus-bosch-garden-of-earthly-delights-art-poster-print_a-G-8830862-0

Insira uma legenda

Ela também me avisou sobre um outro lugar – o inferno. O lugar para onde você vai quando é mau. Aos sete anos de idade, essas ideias eram esmagadoras, assustadoras, inspiradoras, eu acho. E acho que muitas pessoas, não importa qual a sua fé, também tiveram que lidar com esses pensamentos e medos. O que é o céu? E o que é o inferno? Como esses lugares que nunca foram vistos mudaram a forma como nós vivemos na Terra?

Muitas fés têm muitas crenças sobre o céu e o inferno. Céu é simplesmente amor. E esse é o poder do céu e do inferno. Como eles nos afetam emocionalmente? Como nos enchem de amor por nossos irmãos e irmãs? E de medo, o que nos afasta do mal? E de esperança por um futuro melhor?

A fé nos leva a fazer mudanças positivas. Não em um outro mundo. Mas bem aqui na Terra!

julho 10, 2018

Escola Municipal Mista Rural do bairro do Antonelli, Ajapi, Rio Claro/SP

Meu avô paterno foi proprietário de um sítio no distrito de Ajapi, Rio Claro/SP, chamado de sítio Boa Vista. Nele, na beira da estrada, havia uma sala de aula onde funcionou uma Escola Rural, local onde as crianças das proximidades estudavam até o 4º ano primário. Em 1956 ela foi transformada na “Escola Mista Municipal do Bairro Antonelli”. As professoras eram Maria Cândida Crespo Nevoeiro Demarchi, carinhosamente chamada por “Dona Candinha” e a Profª Edna.

23

Segundo meu primo Geraldo, nas fotos estão a Profª Maria Cândida Crespo Nevoeiro Demarchi e os alunos: Aparecida Lavínia Martini, Nim Santantonio, Domingos Geraldo Martini, Jair Henrique Martini, Ana Maria Brandt, Carlos Brandt, Fátima Stocco, José Aparecido Noventa e Angelo Augusto Noventa.

22

Essa escola, foi criada pela Lei Municipal 424/56, conforme segue abaixo:

LEI MUNICIPAL Nº 424, DE 19/06/1956
CRIANDO ESCOLA MUNICIPAL NO BAIRRO ANTONELLI.

Eu, AUGUSTO SCHMIDT FILHO, Prefeito Municipal de Rio Claro, Estado de São Paulo, usando das atribuições que me são conferidas por lei,

Faço saber que a Câmara Municipal de Rio Claro, decreta e eu promulgo a seguinte Lei:

Art. 1º Fica criada no Bairro do Antonelli, Distrito de Ajapí, neste Município, a partir de 16 de fevereiro de 1954, uma Escola Municipal Mista Rural, que funcionará, em prédio construído pelos Senhores Carlos Antonelli e Vitório Buzo, em sua propriedade agrícola, com a denominação de “ESCOLA MUNICIPAL MISTA RURAL DO BAIRRO DO ANTONELLI”.

Art. 2º Fica extinta a Escola Municipal Mista do Bairro da Eritréia, no Distrito de Ajapí, criada pela Lei 309, de 5 de novembro de 1953, por não preencher as formalidades exigidas pela legislação escolar.

Art. 3º As despesas decorrentes do artigo 1º desta Lei, correrão por conta do Orçamento vigente, suplementadas se necessária.

Art. 4º Esta Lei, entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Rio Claro, 19 de Junho de 1956.

Augusto Schmidt Filho
Prefeito Municipal

Publicada na Prefeitura Municipal de Rio Claro, na mesma data supra.

Humberto Mônaco
Diretor Administrativo

 

Leia mais sobre as Escolas Rurais de Rio Claro/SP em MEMÓRIAS DE PROFESSORAS DE ESCOLAS RURAIS: (RIO CLARO – SP, 1950 A 1992)

junho 27, 2018

Escuta o cheiro!

“Vozinha Virgínia: em meio a plantas, em meio a flores como se uma delas fosse!”

A senhorinha das fotos é minha avó paterna, Virgínia Rosin Calore Martini, filha de italianos, de Padova, Itália, de quem acabei de lembrar. Quando ela estava na cozinha, com suas panelas no fogão, ou colhendo as flores que cultivava no quintal, e eu chegava por perto dizia: “Gusto, escuta que cheiro!” (em italiano, “Gusto, ascolta l’lodore!”).

Lembro-me, como se fosse hoje, das histórias que ela contava. A maioria delas eram histórias verídicas, fatos que ela havia vivido e que ela contava e recontava diversas vezes, como se fossem inéditas a cada nova conversa. E eu sempre as ouvia com muita atenção e admiração, afinal, ela foi um referencial na vida para mim e para todos os que com ela conviveram. 

Este slideshow necessita de JavaScript.


Foi ela, o meu avô e meus pais quem me ensinaram sobre o que é ser íntegro, sempre respeitar os mais velhos e batalhar para ser alguém na vida.

Minha avó sempre usava como exemplo histórias de fracasso – de pessoas muito próximas, amigos ou geralmente membros da nossa família, que ela tentou aconselhar, ajudar e dar um direcionamento, mas que foram teimosos e que em algum momento colheu os frutos ruins de sua teimosia, de não terem-na ouvido.

Eu e muita gente da família a teve como parâmetro nos meus referenciais de retidão. Eu, durante muito tempo, pelo menos desde minha infância até o início da minha adolescência.
(more…)

junho 14, 2018

Preservação do nosso patrimônio arquitetônico de São Paulo

Há anos destruíram um edifício maravilhoso (Cine República). O local foi estacionamento por décadas e agora construíram uma caixa de vidro.
IMG-20180614-WA0000

Cine República

Infelizmente a especulação imobiliária, a falta de respeito pela nossa memória e pela nossa paisagem urbana e a indiferença levaram à destruição de inúmeros monumentos arquitetônicos da cidade de São Paulo. E o pior é que até hoje, prédios da maior relevância continuam a ser destruídos todos os dias.

03_fachada_diurna_rev00-508x1024

Setin Downtown Praça da Republica

A única maneira de evitar que isso continue acontecendo é fazendo com que a sociedade comece a se interessar e a participar das questões de preservação do nosso patrimônio arquitetônico. Que tal se começarmos agora mesmo?

Leia mais sobre o Cine República

junho 13, 2018

Santo Antonio, o casamenteiro

Você sabe por que Santo Antônio é considerado o santo casamenteiro?

Batizado de Fernando Bulhões, Santo Antônio era um frade franciscano, nascido em 1195, em Portugal, mas viveu durante a maior parte de sua vida em Pádua, na Itália. Apesar de não ter em seus sermões nada específico sobre casamentos, Santo Antônio ficou conhecido como o santo que ajuda mulheres a encontrarem um marido por conta da ajuda que dava a moças humildes para conseguirem um dote e um enxoval para o casamento.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Igreja de Santo Antônio, em São Paulo/SP

Reza a lenda que, certa vez, em Nápoles, havia uma moça cuja família não podia pagar seu dote para se casar. Desesperada, a jovem – ajoelhada aos pés da imagem de Santo Antônio – pediu com fé a ajuda do Santo que, milagrosamente, lhe entregou um bilhete e disse para procurar um determinado comerciante. O bilhete dizia que o comerciante desse à moça moedas de prata equivalentes ao peso do papel. Obviamente, o homem não se importou, achando que o peso daquele bilhete era insignificante. Mas, para sua surpresa, foram necessários 400 escudos da prata para que a balança atingisse o equilíbrio. Nesse momento, o comerciante se lembrou que outrora havia prometido 400 escudos de prata ao Santo, e nunca havia cumprido a promessa. Santo Antônio haviera fazer a cobrança daquele modo maravilhoso. A jovem moça pôde, assim, casar-se de acordo com o costume da época e, a partir daí, Santo Antônio recebeu – entre outras atribuições – a de “O Santo Casamenteiro”. (more…)

Participe do concurso “Minha Arte na Capa”, da Secretaria Estadual de Educação

  • Primeira fase da iniciativa vai até 3 de agosto;
  • Vencedores terão suas obras nas capas do Kit Escolar – 2019

arte

O Secretário Estadual de Educação, João Cury, considerando a necessidade de construção de políticas públicas de forma participativa, promove o Concurso de Desenho #MinhaArteNaCapa e convida alunos e servidores da rede pública estadual a participarem no processo de ilustração/diagramação do Kit Escolar – 2019. O concurso é uma ação de integração dos projetos Gestão Democrática e Cozinheiros da Educação.

– Clique aqui e leia o regulamento completo

A primeira fase da iniciativa se encerra em 3 de agosto, quando a escola será responsável pelo encaminhamento dos desenhos selecionados, devidamente embalados, sem enrolar ou dobrar, à Diretoria de Ensino, acompanhados dos anexos necessários (veja explicação no regulamento).

São dois temas, e a escolha fica a cargo do próprio participante: CIDADANIA EM AÇÃO – Compreensão da importância da participação social; e ALIMENTAÇÃO CONSCIENTE – Compreensão de todos os aspectos que englobam uma alimentação adequada, saudável e consciente, com base nas diretrizes preconizadas pelo Guia Alimentar da População Brasileira. (more…)

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: