A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

outubro 20, 2017

Fazesp – Escola Fazendária de São Paulo

 

Parte de uma série de construções escolares realizadas pelo Estado no início do século 20, a Escola do Carmo foi recuperada para abrigar a Escola de Administração Fazendária (Fazesp) – onde trabalho. Houve um primeiro projeto de recuperação que teve início em 1999 e que terminou em 2002 e outro, mais recente, que teve início em 2015 foi finalizado em 2016.

O edifício, de linguagem neoclássica com a inserção de elementos art nouveau, passou por metódico trabalho de recomposição. A área do terreno é de 1.068,25 m2 e a área construída é de 2.834,96 m2.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Exemplar representativo da arquitetura escolar do início do século passado, o conjunto foi projetado pelo arquiteto alemão naturalizado brasileiro Carlos Rosencrantz, funcionário, desde 1913, da antiga Diretoria de Obras Públicas da Secretaria da Agricultura.

A Escola do Carmo é um de seus primeiros projetos, feito com Achilles Nacarato. Retrato das alterações pelas quais passou a cidade, a edificação declinou junto com o centro e – curiosamente – ressurge no momento em que ele está sendo redescoberto.

O trabalho de restauro e recuperação foi desenvolvido com minúcias, cuja estratégia se estruturou na identificação dos elementos originais no projeto e na obra e pesquisa dos problemas construtivos, os quais foram corrigidos.

O edifício havia sido descaracterizado através do tempo e algumas mudanças ocorreram nesse período. Um exemplo disso é que na década de 1980 o prédio foi adaptado para ser a creche para os filhos de funcionários da secretaria – e sofreu várias descaracterizações.

Durante os dois processos de restauro, para devolver à edificação seu caráter original procedeu-se à recomposição de elementos decorativos. Um exemplo disso foram as estruturas de ferro que estavam cobertas pelas alvenarias – a peça em ferro fundido que recobre a entrada da fachada na rua do Carmo é uma reconstituição da original realizada a partir da documentação pesquisada pelas arquitetas da Teúba – Arquitetura e Urbanismo, que foi o escritório responsável pela obra entre os anos de 1999 a 2002.

Os pisos de ladrilho hidráulico foram recuperados ou, quando isso não foi possível, foram. O mesmo procedimento foi adotado no caso dos assoalhos.

Com o uso mantido, o projeto introduziu o mínimo possível de novos elementos – entre eles, elevador para acesso de deficientes, sanitários e um marcante lustre (desenhado pelas autoras do projeto: Christina de Castro Mello e Rita Vaz) no hall da construção. Instalações técnicas foram atualizadas e a atual ocupação exigiu redes elétricas especiais.

O edifício da Rua do Carmo, 88, setor 03 – quadra 006 – lote 0001-3,  teve seu tombamento definitivo decidido pelo Conpresp –  Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo, na 635ª Reunião Ordinária em 06 de setembro de 2016, e aguarda-se a Homologação (ato) da Resolução de Tombamento pelo Secretário Municipal de Cultura no Processo Administrativo nº 1992-0.009-298-5.

Leia mais sobre o entorno da Fazesp.

Capela de Santa Luzia e do Menino Jesus de Praga

Largo do Carmo e Ladeira do Carmo

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Obrigado por assinar o meu blog! Espero que goste!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: