A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

janeiro 8, 2015

Lembranças do tempo de ginásio – Prof. João Batista Leme, de Rio Claro/SP – por Augusto Jeronimo Martini

Se você tem menos 50 anos certamento não conheceu esse tempo de escola em que se chamava o atual ensino fundamental, de primário e ginásio. Até porque não existe mais a divisão entre o primário e o ginásio. Já o atual ensino médio era chamado de científico e posteriormente ficou conhecido como 2º grau.

Os meus amigos, ex-alunos do Batista Leme devem ter coisas muito vivas na memória, como as provas impressas em mimeógrafo com letras azuis que eram distribuídas ainda com o forte cheiro de álcool e algumas até borradas.

Se como diz aquela letra de música que “recordar é viver”, vamos recordar enquanto ainda temos tempo – pois nós somos jovens de cabelos grisalhos. E quando começamos a recordar a gente nem imagina quanto cabe de saudade no peito da gente – há sempre uma saudade puxando outra. Parece mesmo que as saudades andam de mãos dadas. Ainda bem!

Somos privilegiados por resgatar as memórias do nosso tempo de Batista.

zuza

Profa. Terezinha de Jesus Pimentel Vianna (D. Zuza), ex diretora do Batista Leme. Foto de: Lilia Dietrich Bertini

Ontem estive lembrando de uma das professoras de matemática do Batista, que se chamava D. Cidinha (salvo engano). Todos tínhamos medo de sua rigidez, pois muitos ficavam de recuperação com ela. Mas, nossa grande mestra, com sua competência e rigor nos mostrou em suas aulas o quanto era importante a disciplina para nossas vidas.
E o que dizer da D. Rosalina Lemos Fernandes, professora de Francês? Com sua paixão pela França, foi um professora super tradicional, exemplar e rígida. Se não me engano, gostava de ser chamada de Madame Rosalina. Não entregava as notas após as provas, lembram? Usava a recuperação paralela, recurso inexistente naquela época, que adotava a segunda época após as provas finais para o aluno que não conseguisse média. No final do ano, os reprovados eram convidados a cantar LA MARSEILLAISE, Hino Nacional Francês – “Allons, enfants de la Patrie,/Le jour de gloire est arrivé!/Contre nous de la tyrannie/L’etendart sanglant est levé!”(…) – e jurar que iriam estudar com seriedade no próximo ano para serem aprovados.

Era uma festa quando ela procurava, durante suas aulas, pelos óculos. E eles sempre estavam pendurados no pescoço, em uma correntinha. Achávamos engraçado, mas não podíamos rir. Ela amava o idioma Francês.

Dona Rosalina ensinava com paixão. Jamais esquecerei das canções que ensinava com entusiasmo: “Au clair de la lune,/ mon ami Pierrot,/Prête-moi la plume,/ Por écrire un mot./Ma chandelle est morte,?Je n’ai plus de feu/Ouvre-moi ta porte/Pour l’amour de Dieu”. Ou, a tradicional, “Frère Jacques, Frère Jacques/Dormez-vous, dormez-vous?/Sonnez les matines, sonnez le matines/Ding, ding, dong./Ding, ding, dong”.

Em 1976 concluímos a 4ª série ginasial. Estávamos felizes. Um festa de formatura era um acontecimento importantíssimo em Rio Claro. Missa, sessão solene de formatura no Cine Teatro Variedades.

Eu não tenho dúvidas de que grande parte do que sou hoje é fruto de ter tido o privilégio de fazer parte da grande família que é o Batista Leme, onde seus professores souberam dar muito mais do que boas aulas de matemática ou português, ainda que alguns de nós, os ex-alunos tenhamos sido muito bons nisso. O que o Batista nos deu foi uma incrível lição humanista, tornando-nos cidadãos conscientes. Mostrou-nos o mundo como ele é – com  toda a sua crueza e suas belezas.

Nossos mestres da época conseguiram, de forma brilhante, fazer com que nós compreendêssemos que fazemos parte de uma sociedade e que temos direitos e deveres. Nos ensinaram a sermos solidários, responsáveis, corretos. Explicaram-nos que honestidade não é virtude, mas obrigação. Incentivaram-nos a vencer e a perder, a não desistir, continuar sempre. Obrigado por tudo, caros mestres! Hoje sou Geógrafo, mestre em História Social, Especialista em Organização de Arquivos e Documentação, instrutor de Yôga… Formei-me pela Universidade São Paulo e pela UNESP de Rio Claro.

Gostaria muito de agradecer e homenagear cada um dos meus professores, mas lembro de um deles com especial cuidado, pois, com um simples gesto de carinho e poucas palavras conseguiu mudar o rumo da minha vida – o professor Ademar Catelani, de História.

Era uma época que minha família estava passando por um período ruim e quase final de ano. Um dia estava muito triste na sala de aula, pois acreditava que aquele seria o meu último ano de estudos por uma série de motivos, e parece que ele percebeu. Deixou sair todos os alunos me abraçou e disse baixinho: “nunca desista dos seus sonhos! Lembre-se sempre que nós somos do tamanho dos nossos sonhos. Se você quer, você pode, você consegue, e eu estou aqui para te ajudar”. Eu levei tão a sério aquelas palavras que nunca mais me deixei abater por nada.

É sempre bom lembrar de todos vocês, meus amigos professores e amigos de Ginásio. É sempre bom saber que vocês estão por aí.

Abraços. Com meu afeto e carinho!

Augusto

Anúncios

5 Comentários »

  1. Augusto! Você escreve muito bem. Eu estou adorando ler essas memórias. Eu não me lembro da D. Cidinha, meu professor de Matemática foi o Clodoaldo na 5a e 6a, séries e depois o Gilberto. O Gilberto namorava a Lurdinha professora de Português. Outros professores de português foram a Maria Elisa (?) e o Alcídes. Eu acho que a minha professora de Francês também foi outra. Nós estudamos juntos nas 7a. e 8a. séries. Um grande abraço.

    Curtir

    Comentário por Lília — janeiro 8, 2015 @ 16:47 | Responder

    • Oi Lilia! Obrigado!
      Escreva você também um texto sobre nossa época de Batista! Sua memória é melhor que a minha!
      Isso mesmo, estudamos juntos somente nas 7a. e 8a. séries!
      Um grande abraço para vc!
      Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — janeiro 8, 2015 @ 16:51 | Responder

  2. A professora de matemática era a D. Lurdinha e não D. Cidinha! É a mesma citada no texto da Zezé!

    Curtir

    Comentário por Augusto Martini — janeiro 8, 2015 @ 23:26 | Responder

  3. Que delícia recordar esta época! Nossa formatura foi marcante!!! Um evento que uniu ainda mais essa turma maravilhosa!!!
    Augusto você tem fotos dessa época?
    Se tiver por favor entre em contato no face…cassia aspm.
    Grata! Parabénsss pelo belo texto!

    Curtir

    Comentário por Cassia Aspm — maio 28, 2015 @ 8:59 | Responder

    • Oi Cássia.
      Eu devo ter uma foto da época da formatura. Vou escanear e postar no face.
      Abraços.
      Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — maio 28, 2015 @ 10:09 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Obrigado por assinar o meu blog! Espero que goste!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: