A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

novembro 24, 2014

Somente o povo poderá acabar com a corrupção!

No início do mês de setembro a organização Transparência Internacional lançou em 11 países, incluindo o Brasil, uma campanha para exigir dos governos medidas imediatas para resolver as lacunas legislativas que facilitam a circulação de dinheiro ilegal.

Brasil, Austrália, Portugal, França, Indonésia, Malásia, Rússia, África do Sul, Suíça, Reino Unido e Estados Unidos da América são os países que participam na campanha “Desmascarar os corruptos” (Unmask the Corrupt, em inglês), que quer sensibilizar cidadãos e governos para a urgência do combate à corrupção.

Essa falta de uma regulação eficaz dos sistemas financeiros permite a agentes corruptos esconder o produto dos seus crimes atrás de empresas de fachada e gozar de uma vida de luxo paga com dinheiro sujo.

Acabar com a confidencialidade na propriedade de empresas, tornando obrigatória a identificação clara dos seus beneficiários, regular o mercado de bens de luxo, particularmente o imobiliário, e fazer um controle mais apertado sobre a circulação de suspeitos de corrupção, são reivindicações da campanha, para a qual foi criado um website, que é o www.UnmaskTheCorrupt.com .

Há muito tempo que agentes políticos corruptos têm conseguido esconder os seus ganhos ilícitos, dentro e fora dos seus países de origem, em contas bancárias no exterior ou mansões luxuosas, entre outros, com total impunidade. Pior do que isso, eles contam com a cumplicidade de governos e órgãos financeiros, que têm seguido uma política fechar os olhos, independentemente da sua origem.

Por aqui, os escândalos recentes na Petrobras revelaram o envolvimento de empresas conhecidas e de fachada em contratos obscuros que serviram para operações de investimento estrangeiro, ou na compra de imóveis de luxo, entre outros bens.

No El Pais de ontem há um texto do Juan Arias, que diz que “não serão os Governos, a polícia, os juízes, nem sequer a detenção de alguns corruptos importantes, que acabará com a impunidade que contagiou com um abraço mafioso partidos e empresas brasileiras. Contra a raiz da corrupção e contra a impunidade dos criminosos existe uma só arma: a rejeição das mesmas por parte da sociedade, dos sem poder.

E ele continua dizendo que a presidenta Dilma Rousseff afirmou na Austrália, durante a reunião do G20, que o escândalo da Petrobras “mudará a história do Brasil para sempre”, porque representa o fim da impunidade. Não. Isso só acontecerá se o Brasil, a parte limpa da sociedade, puder mudar a Petrobras para devolver à empresa a honra da qual foi despojada por políticos e empresários corruptos.

Nada, nem ninguém, será capaz de acabar com a impunidade da corrupção sem que haja um despertar da sociedade no sentido de descobrir que pode ser mais letal do que o vírus do ebola, porque, além de atentar contra a vida, esses crimes sujam a dignidade da nação.

A aceitação manifestada e subliminar da corrupção e da impunidade por parte da sociedade é o que deixa as mãos dos políticos livres para assaltar os cofres públicos. Como explicar, então, que, às vezes, os políticos e partidos mais corruptos são os mais votados nas urnas?

Isso se deve à má consciência daqueles cidadãos que pensam que todo mundo, quando pode, rouba e suborna e, por isso, recorre aos políticos menos moralistas porque eles costumam ser, também, os mais generosos?

Não existe, em nenhum lugar do mundo, uma regeneração ética originada pelo poder. Só a força de uma sociedade que um dia desperta e diz “basta”, que deixa de apreciar os políticos corruptos e que se envergonha de aparecer perante o mundo como cúmplice dos crimes pode mudar as coisas.

Os políticos não mudam, e cada vez que tomam atitudes diferentes relacionadas a eles mesmos é para se blindarem melhor e aumentar seus próprios privilégios.

Os juízes não tomam uma atitude porque não é fácil para eles se desatarem dos compromissos que os unem ao poder, e sempre estarão mais dispostos a perdoar o político ou empresário corrupto do que a mulher que rouba um quilo de arroz no mercado.

A polícia não acaba com a corrupção porque também, salvo algumas meritórias exceções, trabalha à sombra dos políticos e acaba se submetendo a eles. E se, alguma vez, tenta fazer uso da autonomia concedida à Instituição acaba se tornando um dos suspeitos e até é perseguida.

Quem sabe muito bem disso tudo; quem não tem dúvidas de que a corrupção e o crime não podem ser combatidos pelo poder, porque ele também é corrupto e corruptor, é o povo. As pessoas comuns não confiam no poder público, nem sequer no que diz respeito a casos concretos, como o do Mensalão e agora o da Petrobras, em que políticos e empresários famosos e importantes envolvidos nos esquemas foram presos. “Não vai adiantar nada. Sairão em seguida e continuarão vivendo como ricos com o que roubaram”, é o que se escuta em comentários na rua.

O mais grave é que o poder sabe disso, e, também, que uma parte da população acaba se aproveitando da corrupção do poder, recebe as migalhas e se vende. Daí o medo dos políticos de que a sociedade possa despertar de sua letargia, abrir os olhos e perceber que a onda de corrupção ameaça encobri-la. Medo de que o povo comece a exigir responsabilidades.

Nas últimas manifestações realizadas depois das eleições, os políticos não se preocuparam muito com os cartazes contra a Dilma ou a favor da volta dos militares. Nada disso os amedronta porque sabem que é inofensivo. O que começa a preocupa-los são cartazes como os que apareceram em São Paulo: “Sociedade unida, corrupção vencida”, “o povo brasileiro é maior que um partido corrupto”, “O Brasil despertou e não voltará a adormecer”. Não sei se vai ser verdade ou se já é agora. Outro cartaz dizia: “Antes de tudo, Brasil”.

E, a propósito, onde estavam os black blocks e os famosos vândalos nas últimas manifestações? Não se importam com a corrupção?

O mais importante para que este país ressuscite mais forte e mais limpo do pesadelo da corrupção que o tinha anestesiado é tomar consciência de que só os brasileiros, os que se acham sem poder, têm a força de impor um freio aos desmandos dos políticos. E eles fingirão mudar as coisas para que tudo continue igual.

O poder sabe dialogar com corruptos e corruptores porque entende seu idioma e sabe decifrar seus hieróglifos. Mas tem medo da linguagem da ira dos sem poder quando, acordados após um longo período de letargia, começam a querer sonhar juntos”.

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Obrigado por assinar o meu blog! Espero que goste!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: