A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

outubro 24, 2013

A deliciosa simplicidade da infância narrada por uma de minhas irmãs – Tereza – Parte 9

COMO DIZIA MINHA AVÓ: PIANO, PIANO, SE VÁ LONTANO… Parte 9

…. continuação

Simplicidade (Pato Fu)

Vai diminuindo a cidade
Vai aumentando a simpatia
Quanto menor a casinha
Mais sincero o bom dia
…..

Café tá quente no fogo
Barriga não tá vazia
Quanto mais simplicidade
Melhor o nascer do dia

Em umas dessas férias que passei no sítio chegou por  lá um irmão da minha avó. Ele morava em Jundiaí e trouxe suas duas filhas mais novas. O nome dele era Carlos e as meninas, a mais velha, se chamava Nice e a outra era a Celina. Ficaram uns quinze dias lá e foi uma farra.

Digitalizar0004 (2)

Meus pais, Antonio Martini e Maria Angela Graciolli Martini, durante a lua de mel, em Aparecida/SP.

Atrás do paiol onde eram guardados o milho e aboboras para tratar das galinhas, porcos e dos outros animais e as ferramentas de trabalho, tinha um pé de Chico Magro (também conhecido como uva japonesa) o qual já era bem velho. Inventamos de ir comer o tal do Chico Magro.

Descemos correndo até lá, mas, quando chegamos a Celina estava com dor de barriga. Como não tinha mais ninguém por perto ela disse: “vou fazer aqui mesmo”. E mandou um “número dois” caprichado bem embaixo da árvore.

Como as frutas estavam no alto, subimos todas na árvore pra poder pega-las. E não é que a Nice sentou num galho e ele quebrou! E adivinha onde ela caiu? Bem em cima do monte! Ela ficou muito brava e subiu correndo atrás da irmã. Quando conseguiu alcançá-la, bateu nela e a fez lavar as suas roupas. Até hoje, sempre que a gente se encontra lembramos disso e damos muita risada.

Eu e a Cida gostávamos também de subir no pé de manga Jataí para comer manga verde com sal. Minha avó não deixava porque falava que fazia mal. Mas, nós pegávamos uma faca e uma xícara com sal e saíamos bem de mansinho. Uma subia e a outra passava o sal e a faca. Depois a outra subia a mangueira que era bem grande e a gente ficava lá, bem quietinhas, até a tia Leonor achar falta de nós e começar a chamar.

Continua…

Leia também outros posts similares sobre as lembranças de minha infância

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Obrigado por assinar o meu blog! Espero que goste!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Escrito por PROF RAFAEL PORCARI, compartilhando sobre futebol, política, administração, educação, comportamento, sociedade, fotografia e religião.

Saia de viagem

Em frente, sempre.

Mulher Moderna

Fazendo de tudo um pouco.

Memórias de Tereza

Um blog de memórias, recordações e lembranças familiares

Blog da Reforma

Um dia esta reforma acaba!

%d blogueiros gostam disto: