A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

abril 15, 2012

São Luis do Maranhão – sua história e culinária

Vista de São Luis do Maranhão, por Sandra Barbosa

Durante a Semana Santa estive em São Luis do Maranhão, que é uma ilha cheia de cores, ritmos, sabores, história e encantos.

Na descida do avião você já avista o rio Anil que divide a São Luís moderna do Centro Histórico e uma ponte chamada José Sarney que liga uma a outra. Só  indo para lá é que você vai entender a paradoxal admiração que tenho por aquela cidade. Andando por seus bairros você ainda encontra nas margens dos rios casas de pau-a-pique sem saneamento, bairros com ruas asfaltadas e também sem saneamento, com o esgoto correndo a céu aberto. Mas, deixando as mazelas de lado, que existem em todas as capitais brasileiras, São Luís é só riqueza.

No Centro Histórico são mais de 3500 prédios tombados. A cidade foi considerada Patrimônio Cultural da Humanidade, pela Unesco, em 1997. Na Praia Grande está a maior concentração de prédios já restaurados e é ali onde turistas e ludovicences (como são chamados os nascidos na capital) se encontram. As ruas estreitas, de pedra, ficam tomadas por cadeiras onde o que rola é cerveja e música ao vivo.

Vista de uma das ruas do Revivier, em São Luis do Maranhão

São Luis é francesa, holandesa e portuguesa. Os primeiros a chegar na atual São Luís foram os franceses. Neste período, por volta de1612, a ilha era conhecida como Trindade. Já os índios Marañaguaras que habitavam o local, a chamavam de Upaon-Açu; mais tarde chegaram os tupinambás fugidos do sul com a chegada dos portugueses. O primeiro francês a se estabelecer na ilha foi Charles de Vaux que aprendeu a língua nativa e intermediou a permanência de seus compatriotas que por serem louros ou ruivos e falarem muito foram chamados de Papagaios amarelos (Ayurujuba em tupinambá). Já os portugueses eram chamados de peró (Tubarões ou os que vêm pelo mar). Em 1535 os portugueses tentaram chegar a essas terras e, depois de alguns naufrágios acabaram por “adiar” a colonização do local. Em 8 de setembro de 1612 os franceses constroem o forte de Saint Louis. Eles queriam fundar a chamada França Equinocial. Como os espanhóis temiam o avanço francês às suas terras, se uniram aos portugueses e em 1615 travaram batalha para expulsar os franceses que tinham ajuda dos tupinambás. O forte Saint Louis, uma homenagem ao rei Luís XIII da França, é tomado e passa a se chamar Forte São Felipe em homenagem ao rei da Espanha. Para garantir de vez a posse, em 1619, Portugal manda 1200 açorianos para a ilha que dão origem às técnicas de fiação e produção de panos que chegou a ser moeda forte na época.

A tiquira é a pinga maranhense, uma bebida destilada feita a partir da raiz da mandioca e possui um alto teor alcoólico (38 a54%). A herança é dos índios amazônicos que aproveitavam tudo da mandioca. A aguardente, produzida pelas mulheres, era oferecida por elas aos maridos (guerreiros) que chegavam das batalhas como forma de honraria.

Depois da batalha com os franceses é hora de enfrentar os holandeses que já tinham dominado Pernambuco em 1630. Em 1641, 18 embarcações da Holanda estavam destinadas a tomar São Luís. A igreja do Desterro foi saqueada, os portugueses se renderam e a ilha foi declarada holandesa. Um ano mais tarde, dois portugueses e dois chefes indígenas iniciam uma reação à ocupação holandesa. Sem munição ou comida e com seu forte (o do Rosário) tomado, em dois de fevereiro de 1644 os holandeses deixam São Luís. Tal fato estimulou Pernambuco e Ceará a lutarem pela saída dos holandeses de suas terras.

Todas as batalhas destruíram a ilha e sua renovação urbana se deu no mesmo período da reconstrução de Lisboa, Portugal, que fora destruída por um terremoto em 1755. As obras foram lideradas pelo marquês de Pombal, primeiro ministro do rei D. José I, por isso é comum nas visitas aos casarões coloniais você ouvir de um arquiteto que o traço ludovicense é pombalino!

Quer saber mais? Leia os livros “História do Maranhão”, de Mário M. Meireles (Ed. Siciliano, 2001) e “São Luís – Fundamentos do Patrimônio Cultural”, de Ananias Martins. Porque agora é tempo de voltar para a realidade e falar de uma das coisas gostosas que tem por lá – a torta de camarão seco, uma das comidas típicas de São Luis. Abaixo segue a receita:

Camarão seco - vendido no mercado da casa das tulhas, em São Luis/MA

Torta de Camarão Seco (prato típico de São Luis/MA)

Ingredientes
– 1 Kg de camarão seco
– tomate à gosto
– azeitona à gosto
– azeite e margarina à gosto
– cebola à gosto
– massa de tomate à gosto
– coentro e cebolinha à gosto
– 6 ovos inteiros
– 1 colher (sopa) de farinha de trigo
– 1 colher (sopa) de fermento em pó
– azeitonas para decorar

Minha cozinha, esperando a torta de camarão seco

Modo de Preparo
Deixe o camarão de molho em água quente, para tirar bastante o sal. Numa panela, misture com tomate, azeitona, azeite de galo, margarina, cebola, massa de tomate, coentro e cebolinha. Leve ao fogo, e refogue bem. Bata bem os ovos. Adicione a farinha de trigo e o fermento em pó e mexa bem. Misture metade desses ovos com farinha e fermento com camarão refogado. Coloque essa mistura numa fôrma untada e polvilhada. Cubra a torta com o restante dos ovos batidos. Decore com algumas azeitonas. Leve ao forno médio para assar. Sirva com arroz branco.

Anúncios

12 Comentários »

  1. É isso mesmo ……Minha terra tem palmeiras onde canta o sábia e mesmo tendo tanta coisa ainda a ser mudada e melhorada existe pessoas que como vc veem Sao Luis dessa forma gostosa de se ver .Que Deus permita que vc volte muitas vezes para cá ……. Adoraria poder fazer parte dessa mesa .Beijossss

    Curtir

    Comentário por Ana Maria — abril 16, 2012 @ 11:01 | Responder

    • Oi Ana, querida! Gosto muito de São Luis. E que lugar desse Brasil de meu Deus não tem defeitos e melhorias a serem executadas? Não há um só! Bjs. e saudades. Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — abril 16, 2012 @ 11:42 | Responder

  2. Olá, compartilhamos seu post no nossa página no Facebook, confere lá: http://www.facebook.com/turismoSaoLuis/posts/390339944320143

    Curtir

    Comentário por Turismo São Luís MA (@turismoSaoLuis) — abril 23, 2012 @ 12:00 | Responder

  3. amei mas poderia ter mais

    Curtir

    Comentário por larissa — setembro 21, 2012 @ 20:31 | Responder

  4. eu ameeeeeeeeeeeeeiiiiiii claro q voltarei….

    Curtir

    Comentário por edinaldo — junho 17, 2013 @ 14:19 | Responder

  5. Caro Augusto,

    parabéns pelo blog e pelas fotografias.

    Temos interesse me veicular uma destas imagens em um material editorial, caso tenha interesse me encaminhe um e-mail com seu telefone.

    Sergio.

    Curtir

    Comentário por Sergio — agosto 20, 2013 @ 20:59 | Responder

    • Boa noite Sérgio.
      Encaminhei o meu telefone por e-mail.
      Abraços e agradeço a visita.
      Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — agosto 21, 2013 @ 0:21 | Responder

  6. EU AMEI O CAMARRAO SECO EU FIS NA MINHA CASA FICO UMA DELIÇA

    Curtir

    Comentário por VANESSA — setembro 4, 2013 @ 19:25 | Responder

  7. […] Shrimp Pie is a traditional dish from State of Maranhão, Brazil. I was born over there and all my mom’s family is from São Luís. I grew up looking my mom […]

    Curtir

    Pingback por Shrimp pie! | World Ginger Taste — janeiro 19, 2014 @ 23:02 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Obrigado por assinar o meu blog! Espero que goste!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: