A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

outubro 5, 2011

Lembranças do Grupo Escolar

Hoje meu dia de trabalho começou normalmente – com muito trabalho!
Mas, ao abrir o email me deparei com uma apresentação em PPT que me emocionou e que foi enviada pela Lúcia Calderan, tutora do curso de Disseminadores de Educação Fiscal.
 
Clique Grupo escolar  e veja a mensagem.
Não tive contato com tudo isso em minha época escolar, mas muitas sim.

E a mensagem fez-me lembrar da infância que tive – pobre mas digna.  Lembram da música – “eu sou pobre, pobre, pobre, de marré, marré, marré”?  Era mais ou menos aquilo… mas, graças a meus falecidos pais a educação nunca me faltou. Pelo menos até a 8ª série. O restante dos estudos fiz por conta e fui o único da família que chegou a cursar o  nível superior.
 
Lembro de coisas de minha infância que me fazem chorar de emoção – como a questão do lanche. Eu e minhas irmãs leváva-mos pão amanhecido com banha de porco. Manteiga quando tinha era luxo. Doces? Uma vez ao mês minha mãe comprava pra gente na mercearia dos “Pizzirani”. De vez em quando ela aparecia com uma daquelas goiabadas triangulares, com um índio de plástico espetado que fazia as vezes de palito. E  ia parar na frigideira! Era derretida e virava o recheio do lanche dos três. Uma glória.
 
Lembro também de coisas bem tristes – um dia acabou o caderno da Tereza, minha irmã mais velha. Os cadernos eram “doados” pelo MEC. Minha mãe foi até a mercearia citada acima e pediu para a Odete, balconista, um pouco de papel de pão (lembram? a gente comprava pão e ele vinha embrulhado num papel reciclado, de cor cinza claro!). Em casa, ela pegou um pedaço de papelão grosso, passou uma costura no meio, prendendo-o nas folhas. A noite meu pai fez uso de  uma régua e com o lápis traçou as linhas.
 
No dia seguinte, após a aula, minha irmã chegou chorando em casa. Perguntada sobre o que acontecera, disse que a professora batera-lhe com uma régua de madeira  na cabeça e retrucou – isso é caderno que se apresente? E pensar que hoje os cadernos reciclados estão na moda e custam mais caro que os normais!

2 Comentários »

  1. Vamos dizer que sua irmã teve o desprazer de cruzar o caminho de uma professora grosseira que não sabia lidar com crianças, minha primeira professora também não tinha uma cara muito boa, não fazia o gênero da professora meiguinha, a primeira vez que minha mãe a viu pensou: coitada da Emília!!! Mas felizmente apesar da severidade da teacher NÃO passei maus bocados com ela não. Certas coisas criança não esquece.

    Curtir

    Comentário por Emília — outubro 5, 2011 @ 15:37 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Obrigado por assinar o meu blog! Espero que goste!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Escrito por PROF RAFAEL PORCARI, compartilhando sobre futebol, política, administração, educação, comportamento, sociedade, fotografia e religião.

Saia de viagem

Em frente, sempre.

Mulher Moderna

Fazendo de tudo um pouco.

Memórias de Tereza

Um blog de memórias, recordações e lembranças familiares

Blog da Reforma

Um dia esta reforma acaba!

%d blogueiros gostam disto: