A Simplicidade das Coisas — Augusto Martini

abril 19, 2012

“Homens que odeiam suas mulheres e mulheres que os amam” – misoginia – o que é isso?

Faz duas semanas que estou assistindo as aulas um curso de Direito Administrativo, Licitação e Contratos, com uma mestra excepcional: Prof.a Maria das Graças Almeida Pamplona. Hoje, durante uma de suas explicações, ela falou sobre  misoginia e citou o livro escrito por Foward, Susan Dra. e Torres, Joan – “Homens que odeiam suas mulheres e as mulheres que os amam. Quando amar é sofrer e você não sabe por quê”.  – Ed. Rocco.

Eu te amo. Eu te odeio!

 
Graça disse para as alunas presentes na sala e para as que a acompanhavam pelo sistema de videoconferência que a leitura desse livro é fundamental para quem quer entender as relações conjugais em que se refere ao comportamento dos maridos, e, para que as solteiras fujam das “armadilhas” em que se constituem maridos misóginos.  
Chegando em casa sentei a frente do computador para saber um pouco mais sobre esse livro. E achei um texto da psicóloga alagoana Adriana Pimentel Azevedo, que escreve o  blog Psico? Lógico! o qual reproduzo abaixo. Tenho certeza que muitas amigas minhas irão se deliciar com a leitura e identificar situações já vividas em seus relacionamentos. Assim, aprendam a fugir dos misóginos!!!

- Ele te ama e depois te “maltrata”!? Ele pode ser um misógino!

Misógino? Misoginia? O que é isso?
Bom, tenho encontrado algumas clientes no consultório que estão entrando em contato com essa realidade. Elas começam a falar de seus namorados, maridos, companheiros, dizendo que não entendem a forma como eles agem com elas.Misógino é uma palavra grega utilizada como referência a quem odeia mulheres: miso (odiar) e gyne (mulher).
Isso mesmo, não se espantem a palavra é: odiar.Vejam bem: no início, esses homens são completamente galanteadores, amorosos… Mas que ao longo da relação eles começam a usar de uma tortura psicológica incrível, fazendo com que sua companheira se sinta culpada, incapaz, inadequada… Tudo isso através de insultos, momentos de raiva e de críticas constantes; revertendo assim o foco da situação deixando a mulher confusa e oprimida, pois elas demoram a acreditar que aquele homem “maravilhoso” agiu daquela forma.
Os insultos são tão constantes que é como se fosse uma lavagem cerebral. Fico impressionada como as minhas clientes reagem a isso e como demonstram tal opressão, é como se eu enxergasse uma criançinha, daquelas completamente tolhidas na minha frente, sem realmente terem condições de fazer nada, mais justamente por serem crianças.

Quando essas mulheres começam a descobrir, ou melhor, a aceitar que estão do lado de um misógino começa-se o trabalho de resgate dessas mulheres. Como assim de resgate?
É a elevação da auto-estima e da percepção do homem que está ao lado delas, entendendo que esse comportamento deles, é plenamente inconsciente. 
 
Todos os artigos que falam sobre misoginia, citam o livro: “Homens que odeiam suas mulheres e mulheres que os amam”, de Susan Forward e Joan Torres, da editora Rocco. Neste livro ela aborda sobre o misógino e como as mulheres podem reagir ou escolher fazer em relação a eles.
Rita Granato em um de seus artigos cita explicitamente as formas que um misógino têm de OPRIMIR sua parceira:

• Através da negativa: ele nega o corrido, levando a parceira a questionar sua acuidade, e a validade de sua memória. Assim não há jeito de se resolver os problemas com alguém que nega sua existência e insiste que nunca ter existido o que a mulher sabe ter ocorrido

• Através da alteração dos fatos, o misógino reformula o fato para se ajustar a sua versão, faz alterações drásticas e amplas nos fatos, a fim de chancelar sua versão da historia.
• Alega que está se comportando mal, como reação a algum desvio de sua parceira, é como se seu comportamento afrontoso passa a ser uma reação compreensível a alguma terrível deficiência ou provocação da parceira. Transferindo a culpa ele se protege: absolve-se do desconforto de reconhecer sua participação no problema e convence a parceira que suas deficiências de caráter soam o verdadeiro motivo das dificuldades na vida em comum.

• A parceira não pode protestar, e se a parceira o faz, ele fica mais furioso. Ele encara a reação como um ataque pessoal e como prova das inadequações da parceira. Ele transforma a parceira em culpada e ele a própria vitima. Isto acontece, pois ele está mais preocupado em desviar a culpa de si mesmo do que em reconhecer a angústia que causa à parceira.

• Se o misógino se sente ameaçado de perder alguma coisa que lhe é importante, e sentindo-se humilhado, é bastante provável que a balança se incline para a brutalidade. Para ele através do medo poderá controlar melhor sua parceira.

• Se a parceira tiver alguma atividade significativa que o misógino encare como ameaça, ele fará testes de sua devoção, fazendo com que a parceira reduza drasticamente seu mundo. Esse tipo de ciúmes e de possessividade se estende a todos os aspectos de vida. Qualquer coisa que a parceira faça que esteja fora do controle do misógino, ou seja, encarada como uma ameaça a ele deverá ser abolida. 

• Entre todas as coisas ineficazes que uma mulher pode fazer, tanto consciente como inconscientemente, para tornar o relacionamento menos doloroso, a CONIVÊNCIA é ao mesmo tempo a mais sutil e mais destrutiva para ela. No momento que ela entra em conluio com ele, a mulher perde de vista o que acontece de fato entre os dois. Sua distorção da realidade para se ajustar à visão do parceiro indica que suas percepções estão completamente fora de foco.

Ainda baseado no livro de Susan Forward e Joan Torres , Sônia Nemi discorre que:
“Ao primeiro contato com um misógino, em geral, ele é considerado um gentleman. Ele é o homem que conquista a mulher de uma forma deliciosamente amorosa e sedutora e passa a ser por ela descrito através de uma farta lista de superlativos. Ele é tão intensamente maravilhoso que fica impossível para a mulher atribuir a ele qualquer responsabilidade dos problemas da relação quando estes começam a acontecer.

O contrato relacional velado se define no início do relacionamento quando o homem vai, aos poucos, verificando até onde pode ir com o seu estilo controlador e manipulador. À medida que a mulher evita confrontá-lo tentando ser boa para preservar a relação, ela está estabelecendo um tópico contratual que configura o contexto para a atuação do misógino, ao tempo em que ela vai enfraquecendo. Como diz Susan Foward: “ela contrata amor e ele controle”.

Esse controle se evidencia nas armas abusivas em que as palavras se tornam, através das quais as críticas e ataques são feitos, até alcançar o controle da sexualidade e o controle financeiro. Mesmo que a mulher tente agradá-lo, tudo que ela faz está errado e ele a convence de que ela é culpada. 

Quando as explosões repentinas do homem começam a acontecer, mais elas são sentidas como ameaças veladas pela mulher que fica perplexa e cada vez confusa com o que dá errado. Ela passa a “pisar em ovos”, medindo as palavras, para falar com ele. A forma sutil como ele a desqualifica impede que ela possa perceber que é isso que mina a sua auto estima. Ela se torna irreconhecível, principalmente se antes era uma mulher independente financeira e emocionalmente, uma vez que definha. 

Os argumentos utilizados pelo homem parecem tão lógicos e tão cheios de interesse pelo bem da relação que, a mulher vai, cada vez mais afundando no seu pântano emocional. Tudo que ele quer é que ela demonstre seu amor por ele, sendo compreensiva e conhecendo-o tão bem que seja capaz de atender suas necessidades, sem nunca se aborrecer com ele. Com o tempo, a relação parece uma gangorra onde de um lado ele estoura e do outro se arrepende, pede desculpas e se torna o homem maravilhoso do início do relacionamento.

Apesar da descrição devastadora do misógino, ele não tem consciência do seu funcionamento e sequer se dá conta da dor do outro. A construção de tal dinâmica pessoal pode ser entendida a partir da sua história, na família de origem, quando vivenciou sofrimento psicológico o qual não poderia evitar. 
O misógino é filho de uma relação conturbada onde aprendeu, observando seus pais, que a única maneira de controlar a mulher é oprimindo-a. Ao lado disso, ele pode ter sentido que a sua mãe não poderia existir sem ele, já que seu pai a maltratava; ou ainda, ele pode ter tido uma mãe que o oprimiu ou rejeitou, ao lado de um pai passivo.

Qualquer que tenha sido a sua história, o misógino está na fase adulta “atuando” a sua dor de “criança” ferida, buscando desesperadamente ser amado ainda que de uma forma equivocada. 

No caso da mulher que escolhe formar uma relação com um misógino é possível que ela tenha sido infantilizada pela sua família de origem e busque no seu parceiro o apoio, suporte e amor que não recebeu do seu pai, ou talvez ela teve uma mãe que desqualificava o pai; ela pode também ter vindo de uma família tão caótica que desde cedo ela aprendeu que toda relação é problemática e que ela como mulher não tem chance.

Ainda que o misógino seja visto como algoz e a mulher como vitima, esta também contribui para que tal padrão relacional se implemente e perdure. A mulher instiga o misógino a atuar na medida que ela não estabelece limites claros, diferenciando-se dele e ocupando seu próprio espaço na vida e na relação. 
O homem e a mulher nessa relação estão interagindo dentro de seus próprios papéis; da mesma forma que um círculo não tem começo nem fim, a relação se desenvolve sem que se possa indicar um culpado. Um “precisa” do outro para continuar com o padrão, mas para sair dele um dos dois precisa funcionar de uma forma nova. 

- Uma mulher que sofre numa relação como essa pode
 (1) manter-se submissa para preservar seu homem, (2) separar-se, ou (3) construir uma nova relação com o mesmo homem. 

Aquelas que escolhem a terceira opção terão que resgatar sua auto estima, assumir o seu lugar no mundo e na relação, estabelecer limites claros e ser firme ao se posicionar diante do seu parceiro. Ela provavelmente precisará de suporte terapêutico até que se tenha fortalecido. É possível que, à medida que ela conquiste seu objetivo, o seu misógino desista do lugar de algoz para ficar ao seu lado ou desista da relação. Se ela sente que o ama, precisará amar a si mesma também para ter coragem de correr o risco de “perdê-lo”.
 
De qualquer forma dificilmente um misógino busca terapia e, se assim o faz, tão logo se fortalece interrompe o seu processo. Parece que o sofrimento do seu mundo interno é tamanho que ele não suporta ter que contactá-lo através da análise da sua dinâmica e efeito do seu comportamento no outro; para tanto ele teria que admitir que é co-construtor das dificuldades da sua relação e que é, na verdade, um homem sedento de amor. Ele teria que admitir que é o único responsável pelo seu auto preenchimento.

Se você, ao terminar de ler esse material, acredita que pode estar se relacionando com um misógino; se suas dúvidas se confirmarem. Busque ajuda terapêutica, pois, sozinha fica pesado demais para você dar conta de tudo que precisará fazer para cuidar de si mesma”. 

Bom acredito que aqui tem explicação suficiente para vocês entenderem um pouco mais do universo masculino quando esta característica se apresenta. Qualquer coisa estou por aqui.
Ah! Um detalhe as minhas clientes que descobriram esse homem… Umas continuaram a relação, escolhendo a terceira opção do livro e outras se separaram e descobriram novas relações. O que a gente percebe de tudo isso é que não existem regras únicas, mas sim o conhecimento que ajuda em muito nas nossas decisões.

52 Comentários »

  1. Olá!
    Estou aos prantos pois é uma descrição fiel do que ocorre entre eu e meu marido . É muito difícil e triste chegar ao ponto de adimitir todos esses “pequenos” detalhes que nos enfraquecem e nos transformam durante os anos de convivencia conjugal.
    Agradeço pelo artigo. Agora sei por onde começar meu processo de resgate…

    Curtir

    Comentário por debora — abril 22, 2012 @ 19:37 | Resposta

    • Prezada Débora.
      Agradeço pela visita e fico feliz que o texto tenha lhe tocado e sido útil.
      At.
      Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — abril 23, 2012 @ 8:41 | Resposta

  2. Oi Augusto!
    Que coisa complicada identificar um misógeno! Lendo esse texto imagino a dificuldade das mulheres que infelizmente convivem com eles.
    Sobre o seu comentário lá no blog, desculpa a demora em responder, estou mais enrolada que novelo de lã rsrsrsrs
    A princípio diria que não aceitaria encomendas, porém uma leitora insistiu tanto que estou fazendo um mosaico pra ela e agora já estou até pensando se aceito as próximas encomendas se houverem :)
    Beijos!

    Curtir

    Comentário por Marluce — abril 22, 2012 @ 23:08 | Resposta

    • Oi Marluce!
      Achei seu trabalho muito bonito! Tenho uma amiga que fez uma mesa de centro com mosaicos e também um espelho, cuja moldura são flores.
      Um abraço e obrigado pelo comentário.
      Augsuto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — abril 23, 2012 @ 8:43 | Resposta

  3. BOA TARDE, ESTOU EM CHOQUE COM ESSA MATERIA. ESTAVA ME RELACIONANDO COM UM HOMEM QUE ADMITIU SER MISOGINO, ESTOU SENTINDO ISSO TD. ELE FAZ ESSAS COISAS COMIGO, ELE FEZ EU ME APAIXONAR E POR QUALQUER MOTIVO TERMINA COMIGO. FAZENDO ME SENTIR CULPADA, UM LIXO, FALANDO SOBRE AS COISAS QUE EU QUERO ESTUDAR, ME DESISTIMULA DIZENDO QUE ESTOU ERRADA.QUANDO FALEI QUE QUERIA FAZER FILOSOFIA ELE ME DISSE QUE ISSO NÃO DA DINHEIRO. COMEÇEI A CAMINHAR PARA EMAGRECER, POIS DISSE QUE EU ESTAVA FORA DO MEU PESO.ESTOU ATONITA, POIS GOSTO DELE APESAR DE 2 MESES, MAIS ELE FOI EMBORA.

    Curtir

    Comentário por MARCIA cARVALHO — maio 18, 2012 @ 15:09 | Resposta

    • Boa tarde Márcia.
      Agradeço pela visita ao blog. E espero tê-la auxiliado de alguma forma com esse texto.
      Abrs.

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — maio 19, 2012 @ 12:06 | Resposta

  4. Assistindo TV outro dia, conheci pela primeira vez a palavra MISOGENO.Foi como se um raio caisse sobre minha cabeça.Pesquisei aqui e descobri que me relaciono com um misogeno.São 20 e poucos anos de casada.
    Se antes eu era alegre, independente financeiramente e emocionalmentem hoje eu não trabalho mais e tenho síndrome do pânico e depressão.Não consigo sair de casa e sou dependente 100% do meu marido.
    Ele me critica constantemente, até por coisas que não acontecem.Ora é muito prestativo,cuida de todo lado material, mas desaba no lado emocional comigo.
    Hoje já não tenho forças para enfrenta-lo e me refugio no silêncio e isolamento, com isso, as brigas diminuiram muito e tenho paz.Mas não vivo, apenas estou ali presente.
    Conhecendo com quem realmente estou casada, e o por que de tudo isso acontecer ,deu mais ânimo para enfrentar essa situação e resgatar a minha auto estima tão aniquilada.
    Obrigada pelo texto esclarecedor. sei que ira ajudar muitas outras mulheres que sofrem pelo mesmo problema.
    Abraço fraterno

    Curtir

    Comentário por Cláudia — junho 6, 2012 @ 8:08 | Resposta

    • Bom dia Claudia.
      Fico muito feliz quando recebemos mensagens como a sua, dizendo que os assuntos que divulgo acabam ajudando alguém.
      Um abraço.
      Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — junho 6, 2012 @ 8:33 | Resposta

  5. o meu ex namorado fazia exatamente isso comigo. todos diziam qe eu era bonita pra ele mas ele sempre reclamava da minha aparencia, eu peso 52 kilos mas mesmo assim ele sempre dizia que eu estava gorda, ele reclamava de todas as minhas amigas e muitas vezes nao deixava eu ir nem mesmo no cinema com elas. e toda vez que eu falava com ele que o namoro nao ia bem ele ria de mim e falava para eu parar de reclamar ou comecava a jogar a culpa em mim. e eu amava tanto ele que namorei com ele 2 anos na esperança dele volar a ser aquele homem do inicio do namoro e quando vi que isso nao iria acotecer fui embora..

    Curtir

    Comentário por dani — junho 11, 2012 @ 21:17 | Resposta

  6. estou empresionada,eu achava qual quer coisa mais nunca tive conhecimento sobre isso,nao sei por onde comessar,nao sei se devo o ajudar.meu sofrimento neste momento nao me deixa ver com claresa oque fazer.estou muito sem vontade de viver,sem esperança mais to tentando,acho que pela minha mae,que seja!obrigada.guiomar pacheco

    Curtir

    Comentário por guiomar cristina carvalho pacheco — junho 28, 2012 @ 18:38 | Resposta

    • Oi Guiomar.
      Para tudo a gente sempre encontra uma solução. Pense em tudo o que lhe acontece com calma, peça luz e conseguirá ficar bem.
      Abrs.

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — junho 28, 2012 @ 19:33 | Resposta

  7. meu nome e patricia, e acabo de descobrir que meu namorado e pai do filho que e stou esperando e um misogino, estou ao mesmo tempo aliviada em poder identificar o que realmente acontece com ele e por outro lado bem pessimista, uma vez que o prognostico para essa doença nao e nada positivo.
    gostaria de me comunicar com pessoas que estão passando pela mesma dificuldade que eu estou ou que passaram afim de trocarmos experiencias e podermos nos ajudar.
    se alguém conhecer um grupo me avisa, ou me ad no msn :patriciagvelloso@hotmail.com

    Curtir

    Comentário por patricia — setembro 6, 2012 @ 20:11 | Resposta

  8. Olá,
    Vivo um relacionamento misogeno a pelo menos quatro anos,pesquisei bastante sobre o assunto e estou desesperada pra ter minha vida de volta,mais não sei como me separar ou como iniciar o término, pois toda vez que falo no assunto o meu parceiro se enfurece de uma forma absurda e eu fico com medo, existe alguma maneira legal de eu fazer isso????
    Desde já agradeço e espero que com informação essa situação aconteça cada vez menos.
    Att.

    Curtir

    Comentário por juliana alves — setembro 14, 2012 @ 20:05 | Resposta

    • Olá, Juliana.
      Essa é uma situação difícil e não há assim, digamos, uma receita de com resolver. Vc terá que achar esse caminho, talvez precise de ajuda de um especialista (psicólogo?). Tenho uma sobrinha que passa por um relacionamento parecido. Saiu de casa. Mora com o rapaz, só chora, não está feliz.
      Boa sorte para vc!
      Abrs.

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — setembro 15, 2012 @ 18:11 | Resposta

    • Juliana, existe sim!!! Primeiro: avalie o comportamento dele e o que tem sofrido, com a ajuda desse material literário sobre misoginia. Feito isso, chegado a conclusão de que ele tem esse perfil psicologico tão destrututivo, na minha opiniao, ou 01)vc tenta conversar sobre isso e ver se há abertura nele para se reconhecer como causador ou pleo menos co-responsável pelo problema e fazer terapia, ou 02) vc simplesmente sai de casa sem ele estar presente com o que puder carregar e vá para um local seguro. Procure a delegacia da mulher ou o promotor de justiça (opção melhor) relatando que vc está sendo vítima de violência doméstica, já tentou sair de casa e não conseguiu pelas ameaças, tem muito medo, saiu escondido e agora precisa de ajuda para mantê-lo afastado. Será solicitada uma medida protetiva de afastamento e um mandado pra que possa retirar suas coisas com segurança na presença de um oficial de justiça (quando ele vai se fazer de vítima pro oficial e ficar morrendo de medo). Assim que ele foi intimado de não poder chegar, provavelmente o fará, caso o contrário, NA PRIMEIRA ATITUDE DESCUMPRINDO A ORDEM JUDICIAL VC TEM QUE ACIONAR A POLÍCIA e informar que ele está descumprindo ordem judicial e te intimidando, ameaçando te seguindo ou passando na porta da sua casa, senão ele vai aumentar a violência… aí ele ficara algumas horas detido e vai repensar suas atitudes.. se for da pior espécie vai te deixar em paz te xingar, difamar, e procurar outra mulher pra continuar vitimando. O importante é vc se desidentificar com o papel da vítima!!!! Vc se identificou por algum motivo pessoal (problemas traumas) e precisa de ajuda com psicologo pra sair desse padrão depois, mas agora se estiver em situação de risco há todo esse amparo judicial. Procure o CREAS da sua cidade, é um programa do município que oferece apoio psicológico à mulher nessa situação.

      Curtir

      Comentário por tatiana — abril 8, 2014 @ 14:19 | Resposta

  9. Olá,
    Vivo um relacionamento misogeno nao sei o que fazer nao consigo mim separar dele,só consigo chorar! ele mim maltrata mim ofende mim humilha depois ele reformula os fatos e joga a culpa toda em cima de mim..eu nao sei o que fazer com essas situaçao, esse texto é a descriçao dele!

    Curtir

    Comentário por queila — janeiro 29, 2013 @ 21:28 | Resposta

    • Olá Queila.
      Agradeço pela visita e desejo que tenha força e fé para enfrentar essa situação.

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — janeiro 30, 2013 @ 8:20 | Resposta

  10. Eu estou sofrendo em uma relaçao assim.Ele me humilha de um jeito horrivel e cruel.Mas eu o amo tanto que tento desesperadamente salvar esse amor.

    Curtir

    Comentário por anonima — fevereiro 14, 2013 @ 21:24 | Resposta

  11. Vivi 3 anos com um homem assim… sempre acreditei que ele ia mudar..fiquei grávida!!! eu tava cega..quando a nossa filha nasceu nada mudou, só piorou,,estes homens não têm consciência dos danos que causam e acho que foi o medo de ver a minha filha crescer a ver este abuso que me deu mais força!! Depois da separação desci aos infernos numa espiral indiscritivel de crueldade, tudo com a desculpa de eu lhe privar uma vida com a filha!! Não tem sido fácil viverei sempre com o coração nas mãos..ele é pai da minha filha..mas irei protegê-la até ao fim..preparando-me legalmente!
    Tenho várias sequelas psicológicas como medo, ataques de ansiedade, tremor interno, irritabilidade fácil…auto estima baixa..e ainda hoje separada há 6 meses, sou vitima do seu controlo, maldade através de sms constantes…e chantagens com a minha filha..afastem-se destes seres..eles não mudam..
    Muita Luz para todas

    Curtir

    Comentário por Maria — abril 21, 2013 @ 19:05 | Resposta

  12. Bom acho q sou meio misógino porém uma parte deste estudo me faz pensar no seguinte: será que esses caras são isso tudo de ruim sem fundamento nenhum? Será que as esposas não tem seu 0.1% de culpa estou terminando um relacionamento muito doloroso e me identifico com alguns itens do artigo mas confesso que minha parceira deixava a desejar em coisas bem simples como cozinhar o que eu gosto, perguntar
    ao final de um dia de trabalho se esta tudo bem…enfim essas coisas que algumas mulheres acham que é papel da mãe que o homem deixou para trás, porém quando outra mulher entra na vida do casal e sana todos essas lacunas algumas mulheres voltam e admitem que erraram…acho que uma boa ideia seria ouvir os misóginos e mostrar um pouco de suas reivindicações.
    Abraços e parabéns pela matéria.

    Curtir

    Comentário por Jefferson Goudar — maio 9, 2013 @ 15:01 | Resposta

    • Olá, Jefferson.
      Acredito que todos nós em alguns momentos dessa vida louca nos tornamos um tanto possessivos. E também um pouco alienados, quer pela convivência, quer pelo dia a dia. O que sei é que precisamos nos policiar sempre. E perguntar se o que queremos e somos, praticamos.
      Grande abraço.
      Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — maio 9, 2013 @ 15:33 | Resposta

      • Olá a todos!

        Estou há um ano com um homem que acredito ser um misógino, ele não aceita ser contrariado e sempre que faço isso ele arruma alguma forma de jogar pra mim o erro, alem das ofensas psicologicas, existe a física,minha familia , meus amigos tem vontade de matá-lo e ainda não fizeram isso porque apaziguei as coisas afirmando que vivo nessa vida porque quero… mas não é… De alguma forma ele tem um lado bom , o que me protege de tudo e de todos, não tem vergonha de demonstrar seu amor e de querer me fazer “sua mulher”, sou independente,super familia,alegre,extrovertida… mas quando “baixa o mal” ele perde toda a compostura e vira um monstro agressivo, briguento e ditador, e todas as minhas qualidades se voltam contra mim, – pORQUE VC É TÃO SIMPATICA?PORQUE VC ESTÁ RINDO? PORQUE VC SÓ VÊ SUA FAMILIA? que vai embora pela manhã ficando apenas as minhas marcas e a promessa que isso foi por minha culpa e se eu “me comportar direitinho” isso nunca mais irá acontecer.Estou aprendendo a me posicionar melhor, faço o que eu tenho vontade mas sempre respeitando e incluindo ele em quase tudo, não sei se ele ficará este homem bom que conheci no inicio ou será apenas o tempo das marcas que ainda restam no meu corpo sumirem pra voltar o MONSTRO que tanto me assusta. Comparo os misogino como uma criança birrenta que não sabe reivindicar seus direitos a não ser no grito, esperneando e batendo…apenas por medo de perder as coisas que acha que ama e que não sabe controlar seus sentimentos.

        Esse site é muito informativo e nunca tive coragem de escrever com medo de criticas … Mas diante de tantos depoimentos me senti à vontade para falr um pouco.

        Curtir

        Comentário por Samia Magalhães — setembro 26, 2013 @ 14:02

      • Oi Samia.
        Agradeço sua participação no blog.
        Abraços.

        Curtir

        Comentário por Augusto Martini — setembro 26, 2013 @ 15:11

      • Bom eu um tempo atras me achava meio misógino, sempre achei que parte da culpa de tudo que me acontecia era da minha ex mulher….ate que um dia brigamos feio e decidi sair de casa e deixa-lá ser feliz do jeito que ela é e não do jeito que eu queria.
        Enfim to feliz e espero que ela esteja.

        Curtir

        Comentário por Jefferson Goudar — setembro 26, 2013 @ 15:40

      • Oi Jefferson. Agradeço sua visita ao blog. Abrs.

        Em 26 de setembro de 2013 15:40, A Simplicidade das Coisas — Augusto

        Curtir

        Comentário por Augusto Martini — setembro 26, 2013 @ 15:42

  13. Eu vivo um relacionamento assim, não pode ter erros nem brigas tudo é motivo para ele terminar, Eu estou sempre errada e ele a vítima, e o mais incrivel é que no começo ele era o principe que sempre sonhei.

    Curtir

    Comentário por Helena — maio 25, 2013 @ 14:07 | Resposta

    • Oi Helena.
      Agradeço sua visita. Que seu relacionamento se resolva da melhor forma possível.
      Abrs.

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — maio 27, 2013 @ 8:37 | Resposta

      • Resolveu sim, nós terminamos e aprendi q me amar vale mto mais a pena!
        estou mto mais feliz!
        obgda!

        Curtir

        Comentário por Helena — julho 17, 2013 @ 22:47

      • Oi Helena. Fico contente que esteja bem e feliz. Abraços.

        Em 17 de julho de 2013 22:47, A Simplicidade das Coisas — Augusto

        Curtir

        Comentário por Augusto Martini — julho 18, 2013 @ 0:02

  14. Olá… ao ler este texto tive a mesma reação que muitas… fiquei chocada e surpreendida com a informação, é estranho ler nestas linhas exatamente o que vivencio a muitos anos, meu Deus ele é doente mas eu também por aceitar este tipo de tratamento… preciso de ajuda já. Abraços.

    Curtir

    Comentário por Sandra — julho 16, 2013 @ 21:28 | Resposta

  15. Olá Boa Noite!

    Lendo este artigo consegui diagnosticar que meu marido se encacha em todos os pontos. quando conheci ele eu era super feliz motivada não era ciumenta tinha minha vida, quando comecei a me envolver ele era sempre atencioso nós encontrávamos todos os dias, era muito bom.
    Namorei com esse homem a oito anos da minha vida posso dizer que não fiu feliz tive momentos felizes, ele me deixava em casa mentia que ia trabalhar e ia para as baladas quando reclamava com ele dizia que era louca e sempre coloco a culpa em cima de mim brigávamos ele ficava me maltratando mesmo estando errado eu sempre sofri muito me isolei de todos os meus amigos e da minha família por esse homem e hoje vejo que não valeu a pena que ele não mudou. tudo que descobria que ele fez de errado ele nunca admitiu e sempre me fez sentir um lixo sem contar as vezes que ele me trata mal na frente dos outros ele nunca me apoio em nada que eu faço. Hoje
    estou casada com esse homem a sete meses pensei que ele mudaria mais não esta cada vez pior, a tortura psicológica que ele faz comigo e muito grande, sem contar que diz que nosso casamento não dura 1 ano pois sou ciumenta, mais os motivos ele que dá, ele nunca me passou confiança quando estava confiando descobria elgo de errado que ele fez sei que preciso de ajuda sofro muito com isso.
    todos os meus amigos falam que sou muito bonita para ele mesmo assim não consigo a minha alto estima de volta, e rara as vezes que me elogia.
    Mulheres quando vcs iniciarem um relacionamento e ao passar do tempo ele se tornar assim, saiam fora pois ele nunca vai mudar eles sempre tem razão em tudo.

    Obrigada

    Curtir

    Comentário por Leila — julho 18, 2013 @ 22:42 | Resposta

  16. Eu fui um é quero ajuda para mudar essa postura, me arrependo muito, pois foram brigas e humilhações num relacionamento ioio de nove anos, coisas que ela fazia que me deixava com raiva extrema, como ñ se cuida direito em relação a alimentação, saudê, casa coisas que ela fez no começo de namoro que sempre jogava na cara quando brigávamos, terminamos varias vezes mais de 10x e sempre ela se envolvia com outras pessoas, com homem casado 2x esse foi um dos muitos motivos de brigas com ofensas, agressão psicológica da minha parte, quando voltávamos, muitas vezes por minha insistência, brigas internas de familiares, mãe que trabalha na vida, pai e madrasta que bebem muito, tudo isso interferia para eu ser um Misógino sempre procurei controla minha mente para ñ acontecer de novo mas sempre que acontecia uma briga saia do controle e estava eu humilhando essa mulher, e vi que isso afetava a sua auto estima, terminamos tem um mês por brigas e humilhações por minha parte ñ quero que isso se repita num relacionamento futuro, quero muito se livrar dessa coisa ruim que me deixa muito para baixo e assim meche com a minha auto estima…me deixando com medo de se envolver de novo, reconheço que errei e quero muito que isso ñ se repita.

    Curtir

    Comentário por Jefferson — julho 23, 2013 @ 16:34 | Resposta

    • Olá, Jefferson.

      Os erros nos ensinam muito. Nos fazem crescer e amadurecer. Boa sorte de agora em diante.
      Abraços.
      Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — julho 23, 2013 @ 16:41 | Resposta

  17. O seu artigo ajuda muito as pessoas a enxergarem com maior clareza seus dramas.
    E essa visão “clara” é o ponto de partida para mudar tudo o que for necessário para viver bem.

    Curtir

    Comentário por Yokiane Chimada. — setembro 17, 2013 @ 16:50 | Resposta

  18. Eu vivo um relacionamento exatamente assim. Estou me achando uma merda e só choro, ela não me deixa estudar, não me deixa malhar . Muito triste!!

    Curtir

    Comentário por Francesca — setembro 17, 2013 @ 22:51 | Resposta

  19. Ola, me chamo juan.
    minha namorada leu esse blog e agora está comportando de modo diferente. ela fala que continuar comigo, mas esta sendo grosseira comigo, esta sendo fria e mal esta me chamando de amor. Gostaria de saber se esse é a mensagem que você passa para sua leitoras? Será que poderia esclarecer a mulheres sobre isso, porque tem muita mulher interpretando errado. Obrigado.

    Curtir

    Comentário por Juan Franco — março 16, 2014 @ 10:03 | Resposta

    • Prezado Juan,
      Quando escrevi esse post, a intenção foi de elucidar o que é a misoginia, tão comum na sociedade machista em que vivemos. Me desculpe se o que eu penso e o que você pensa são coisas diametralmente opostas. Mas, isso não quer dizer que sou seu inimigo. Penso que é justamente através do diálogo que alcançamos pontos em comum, não é mesmo? Mas, você tem as suas convicções e eu as minhas.
      Respeito a sua posição, como espero que da sua parte haja o mesmo com relação a mim. Vivemos num país livre e temos o direito de expor aquilo que pensamos. E, não acredito que se está sendo companheiro com sua namorada, algo que ela leu irá influenciar naquilo que ela sente.
      Se nesta questão fomos opositores, quem sabe em futuras questões não estaremos pensando igual?
      Converse com sua namorada. Veja com ela sobre o que a está incomodando sobre o que ela leu. Felicidades.
      Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — março 17, 2014 @ 8:43 | Resposta

      • Prezado Augusto,
        Minha pergunta não foi para coibir sua posição, afinal, deixei espaço para que o sr. expusesse sua treplica. O que chama atenção foi que o sr não apresentou como desenrolar cada uma das 2 opções (continuar ou seguir em frente). Isso dá margem para muitas interpretações, muitas vezes errada. É muito comum confundir a autoestima com frieza, deixando o namorado de lado, como está acontecendo comigo. Ela fala que quer continuar comigo mas está me tratando muito mal. Ultimamente, esta mais concentrada no trabalho e esquecendo de mim. Eu não sei o que fazer. Não sei se estou errado, pois sempre fui acostumado a ser interessado em perguntar tudo o que esta acontecendo na vida dela. Sou acessível as criticas e sou transparente nas minhas emoções e atos. Sim, eu critico, assumo. Mas não por maldade e sim para que ela entenda que eu estou incomodado com essa situação. O fato é que ela não muda. fica muito chato ter que repetir varias vezes a mesma coisa ao ponto de virar sermão. Eu não gosto de assumir esse papel.
        Gostaria que o sr esclarecesse de como proceder para os casos de querer continuar. Obrigado.

        Curtir

        Comentário por Juan — março 20, 2014 @ 0:33

      • Oi Juan.
        Mostre para ela que suas interferências são para ajudar na relação e não para atrapalhar.
        Abraços.

        Curtir

        Comentário por Augusto Martini — março 20, 2014 @ 13:51

  20. Afinal de quem é esse texto?? Já vi ele em muitos sites… É sempre bom colocar a referência se o texto não for seu e se for assinar.

    Curtir

    Comentário por Sinthya Rocha — abril 26, 2014 @ 0:09 | Resposta

    • Boa noite Sinthya.
      Veja que no terceiro parágrafo do texto, escrevi: “Chegando em casa sentei a frente do computador para saber um pouco mais sobre esse livro. E achei um texto da psicóloga alagoana Adriana Pimentel Azevedo, que escreve o blog Psico? Lógico! o qual reproduzo abaixo“.
      At.
      Augusto

      Curtir

      Comentário por Augusto Martini — abril 26, 2014 @ 0:13 | Resposta

  21. Ola, sou Alexia e acho que estou de frente com um desses aí!!Só que eu já notei isso, mesmo sem saber o que era, e estou jogando com a mesma moeda, foi o jeito que achei…ele começa a se alterar eu me altero mais..se ele me ofende, eu procuro ofender pior.Ele me ameaça querendo sair de casa, eu simplesmente falo “entao saia, ninguem esta te prendendo”…no final ele sempre não faz nada do que fala e diz que sou “cheia de marra” e fica com sono e dorme.É sempre assim!Ele nunca me bateu mas xingamentos e voz alta sao frequentes, ele realmente se nega a enxergar que sempre é ele quem começa, tenta deturpar os fatos, aí eu chamo ele de louco, que tem de se tratar, aí ele fica com raiva e vai dormir.Daí depois ele Acorda, fica com cara de paisagem, eu fico quieta na minha, ate que ele quebra o gelo , me abraça e pede desculpas….Isso é um ciclo vicioso!!Não sei como acabar com isso!!Minhas atitudes seguram o impeto dele mas não resolve!!Ele é um homem que realmente tem problemas, teve 2 casamentos desastrosos, 4 filhos, as ex-mulheres alegam que ele batia nelas…Eu nao tenho medo pois falo toda hora que ele esta lascado se encostar o dedo em mim, somos 2 militares.Gostaria de uma sugestão se possivel. Parabens pelo Blog!!!

    Curtir

    Comentário por Alexia — julho 11, 2014 @ 18:49 | Resposta

  22. Oi, estou muito triste, nunca tinha ouvido essa palavra, estou descobrindo agora… tentei suicídio a menos de um mês, e meu marido se encaixa perfeitamente nesta descrição. Já iniciei tratamento psiquiátrico por conta do ocorrido, começo a terapia na semana q vem.
    Obrigada pelo postar.

    Curtir

    Comentário por Luciana — setembro 3, 2014 @ 23:38 | Resposta


Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Obrigado por assinar o meu blog! Espero que goste!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O tema Rubric. Blog no WordPress.com.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 443 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: